CULTURA ITALIANA
Neive - Região de Piemonte
29.12.2016

Neive é uma comunidade italiana da região do Piemonte, província de Cuneo, com cerca de 2.931 habitantes. Estende-se por uma área de 21 km², tendo uma densidade populacional de 140 hab/km². Faz fronteira com Barbaresco, Castagnito, Castagnole delle Lanze (AT), Coazzolo (AT), Magliano Alfieri, Mango, Neviglie, Treiso. Faz parte da rede das Aldeias mais bonitas de Itália.

Villaggio di Natale de Montepulciano
13.12.2016

Se você planeja ir à Toscana, não pode deixar de passar nas feiras natalinas que acontecem lá e também na região.

Villagio Di Natale acontece em Piazza Grande, Montepulciano do dia 19 de Novembro  até 3 de Janeiro

Sessenta casinhas de madeira com produtos feitos artesanalmente selecionados pela Associação de Artesanato local formam uma espécie de vila que fica exposta na praça principal de Montepulciano. Atrações especiais para as crianças como o castelo do Papai Noel são lindas de ver. Também tem pista de patinação no gelo e mini ranch de pony.

Colletta di Castelbianco
06.12.2016

Este antigo vilarejo fica nos Alpes Marítimos e perto da Riviera italiana na província de Savona na Ligúria, na Itália. Foi inteiramente construído em pedra e acredita-se que tenha sido fundado como uma defesa contra os sarracenos no século XIII. Algumas das casas têm portas vermelhas ou azuis, o que torna a cidade ainda mais charmosa.

Foi feita uma restauração geral do antigo assentamento, respeitando os materiais originais e técnicas de construção desenvolvido pelo arquiteto Giancarlo De Carlo.

Ganhando uma sofisticada infra-estrutura tecnológica que permitiu que os novos habitantes pudessem se beneficiar da mais ampla gama possível de recursos de telecomunicação, assim, são capazes de desfrutar da paz e isolamento  da aldeia, mantendo contato com o ambiente de trabalho e, em geral, com os recursos de informação disponíveis em todo o mundo.

Em 2005, a aldeia teve sua primeira colheita de azeitonas em 30 anos e agora está produzindo pequenas quantidades de azeite de alta qualidade a partir das azeitonas locais taggiasca.

Alberobello - terra das Trulli
02.12.2016

A palavra Alberobello deriva de “Sylva Arboris Belli”, que significa “Selva das Árvores de Guerra”. A cidade fica ainda na região da Puglia, no alto de uma colina com muitos bosques e áreas agrícolas ao redor, onde as oliveiras e castanheiras são o seu principal produto.

Em suas ruas são vendidas agricultura regional de diversas modalidades como azeitonas de todos os tamanhos, cores e sabores.

Lá é a famosa cidade dos Trulli. Acredita-se que antigamente os trulli eram utilizados para evadir a cobrança de impostos sobre as casas, são casas brancas, cilíndricas, constituídas por pedras superpostas e que têm um teto formado por uma cúpula, também de pedra, onde muitas vezes são pintados símbolos cristãos e pagãos. Ao se aproximarem os cobradores, os tetos podiam ser facilmente desmontados com a retirada da pedra-chave do topo, fazendo uma casa passar por um depósito ou construção abandonada, e depois reconstruídos. Os trulli não raro são decorados com figuras de significado mágico, espiritual e supersticioso, tornando-as uma atração obrigatória já que é considerado um Patrimônio da Humanidade pela UNESCO desde 1996. Os moradores e proprietários das lojas, convidam os turistas a entrar nas suas casas/lojas, enfeitadas por belíssimos artesanatos locais, muitas delas possuem terraços, de onde podemos pegar excelentes fotos das cúpulas dos Trulli.

 

Castelsardo
22.11.2016

Localizada na Sardenha, esta cidade medieval com mais de 5 mil habitantes possui construções coloridas com uma linda vista para o Mar Mediterrâneo.

O que ver?

  1. Castello dell Doria: fica no alto da montanho, de onde se tem uma vista linda de toda a cidade. O valor da visita é em torno de 4 euros/pessoa. Alguns outros pontos interessantes são a Catedral e a Torre Frigiano.

  2. Porto da Cidade: um Porto relativamente pequeno comparado a outros do Mediterrâneo. Porém isso não o deixa menos charmoso, possui uma marina repleta de barcos de passeio quanto de pescadores.

  3. Pôr do sol: um pôr do sol sem igual, vale a pena conferir quando estiver por lá (vale aplaudir também, ele merece!)

  4. Roccia dell'Elefante: uma belíssima rocha em formato de elefante a beira da estrada.

Cidade de Atrani: Presépio sobre o mar
08.11.2016

A história dessa pequena cidade da Itália está diretamente ligada a sua antuga estrutura medieval (ainda conservada nos dias de hoje). Preserva uma cachoeira de casas acessíveis graças às suas escadarias, ruas cobertas e pequenos jardins. Dentre rochas e o mar no final do Valle del Dragone, Atroni é o menor município da Itália meridional e tem a forma cenográfica de um presépio.

UM POUCO DE SUA HISTÓRIA: Atrani foi um amor estonteante descrita pelo artista holandês Escher quando chegou na Costa da cidade em 1923. Ele a considerou uma das suas metas preferidas quando fez estadia na Itália. Foi encantado pelo jogo de luz e sombra de suas ruelas, uma atmosfera cheia de magia descrita em diversas obras do artista.

COMO CHEGAR: hoje em dia, a estrada Amalfitana criou uma barreira entre o mar e a cidade, por esse motivo é possível descer até as ondas apenas por algumas passagens construídas no passado como proteção para os barcos contra as tempestade do mar e agora se tornou um teatro a céu aberto de frente para o mar.

MONUMENTOS: 1. Lá podemos encontrar a Igreja de San Salvatore del Bireto. Assim era chamada pelas suas cerimônias com os Duques de Amalfu com a obrigatoriedade do uso do chapéu dos duques.

2. Próximo a igreja se pode encontrar a Gruta de Masaniello, local onde, de acordo com a sabedoria popular, o revolucionário se refugiou pelos arredores daquela que era a casa onde havia nascido.

3. Com uma incrível posição, temos a Collegiata di Santa Maria Maddalena que fica localizada no topo da cidade do lado oriental, que chama a atenção pela sua cúpula de majólica e fachada barroca.

FESTAS TRADICIONAIS: - Santa Maddalena, padroeira da cidade - 22 de Julho; - Comemoração do Casamento Ducal (Abril); - Festival do Peixe Azul (Agosto)

CULINÁRIA: Baseada no peixe fresco, uma das iguarias a ser saboreada na Osteria da Luisalla. Fica embaixo do pótico da Piazza umberto I, ou no restaurante A'Paranza na Traversa del Dragone. Entre vários pratos típicos do local, o que mais se destaca é o Sarchiapone, uma grande abóbora verde recheada de queijo e carne preparados com molho de tomate. O Pasticciotto, este recheado de creme e amarenas e a deliciosa cassata atranese.

 

Costumes italianos - post 02/02
01.11.2016

Sabemos que quando estamos em outro país, a tendência de ter algo bem diferente de nossa cultura é bem grande (e isso é o mais legal quando viajamos). Quando um brasileiro viaja para Itália não poderia ser diferente. Listamos algumas características que para o Italiano soa muito normal, e que para nós, brasileiros, pode parecer bem estranho e diferente (post 02/02)

6 - AS RUAS ESTREITAS: pensem duas vezes antes de alugar um carro na Itália e se o fizerem, devem estar muito atentos ao percorrer as ruas junto dos loucos motoristas italianos. Se aproximam muito, cortam na sua frente, e às vezes ignoram também as leis de trânsito. Estas coisas são normais na Itália e se vocês se assustam com isso, esqueça então a ideia de dirigir. Além disso, os italianos, segundo uma pesquisa, foram classificados como os piores motoristas da Europa. Se porém você decidiu dirigir por aqui, basta ser confiante e lembrar deste provérbio italiano: "Olhe adiante e deixe que os outros te olhem de costas", porque este é o modo no qual vivem nas ruas.

7 - A FALTA DE ESPAÇOS PESSOAIS: na Itália falta (ou nunca teve) essa coisa que chamam "espaço pessoal". Para eles é educado estar muito perto de alguém enquanto se fala e não é difícil falar enquanto tocam com as mãos e os braços. Beijos e abraços não são considerados fora de hora quando feitos em públicos. Nos meios de transporte, não importa se você se senta perto deles, mesmo se têm outros lugares disponíveis; ou em pé atrás deles que se pode já sentir o respiro.

8 - A PAUSA DO ALMOÇO: você quer comprar alguma coisa e são duas da tarde. Nota que as lojas estão fechadas, assim como a tal loja que você queria ir. Você vai pensar que estão fazendo a "siesta", mas esse não é o caso se você está na Itália. Normalmente as lojas fecham entre 12:30 e 15:30. Mas não para tirar um cochilo. Vão para casa, cozinham, comem e descansam um pouco antes de tornar ao trabalho. Nas cidades grandes, onde nenhum tem tempo de ir para casa, existem os restaurantes que oferece o menu fixo para o almoço.

9 - CAFÉ: quando estiverem na Itália, esqueçam Starbucks um pouco e, se querem ter a sua dose de cafeína vá a um bar. Não confundir os bares italianos como um lugar onde se vende bebida alcoólica. Se entra em um bar, encontra o caixa, pague, pegue a fila e peça o café. Vocês vão notar que a maior parte das pessoas estão em pé enquanto bebem o café, mas vocês podem pegar a xícara, levar até a mesa desejada e saborear sentado, basta estar disposto a pagar um pouco mais por isso. Existem muitas coisas sobre a cultura do café na Itália que se deveria pegar em consideração, por exemplo: não usar a palavra espresso e pedir "um café", não se pede um cappuccino depois das 11 da manhã, e pedir um cappuccino significa que se quer um copo de leite morno.

10 - "SLOW LIFE": uma coisa que os estrangeiros, em particular das cidades frenéticas de todo o mundo, notam quando vêm na Itália, é o modo geral no qual os italianos pegam as coisas com calma. Slow-food é um modo de vivere. Os jantares podem durar horas. E lembre de não ficar frustrado nas reuniões porque é normal para os italianos chegarem atrasados para um compromisso. Em outras palavras, os italianos vivem no presente.

Costumes italianos - post 01/02
25.10.2016

Sabemos que quando estamos em outro país, a tendência de ter algo bem diferente de nossa cultura é bem grande (e isso é o mais legal quando viajamos). Quando um brasileiro viaja para Itália não poderia ser diferente. Listamos algumas características que para o Italiano soa muito normal, e que para nós, brasileiros, pode parecer bem estranho e diferente (post 01/02)

1 - O BARULHO: esta poderia ser a primeira coisa que os estrangeiros se lamentam ou pensam dos italianos, o barulho que eles fazem. Para os não-italianos, cada dia é uma surpresa nas ruas cheias de gente local conversando, gritando, cantando, tocando, falando ao telefone e dirigindo furiosamente buzinando. O incômodo é acrescido dos sons dos seus vizinhos que passam através das paredes finas dos apartamentos que rendem cada show televisivo que estão assistindo e a cada canção de piano que estão escutando a alto volume. O barulho pode ser tanto que pode acontecer que alguém do lugar vá preso por motivos como o sexo barulhento ou assassinato do vizinho barulhento. Apesar disso, a Itália continua a ser conhecida como um país vivo, circundado de sons diferentes do dia à noite (depende muito do local da Itália, é claro, o ''barulho'' é mais comum no sul).

2 - O MENU COMPLEXO: não espere comer somente um prato durante uma refeição. Serão pelo menos três pratos durante uma refeição tradicional italiana, que pode ser um pouco incômodo para alguns estrangeiros. O menu é composto de antepastos - pratos como uma fatia de salame ou verduras marinada, primeiros pratos de carboidratos como o nhoque, risoto, macarrão; segundo- o prato principal, de carne ou peixe, com ou sem um contorno, ou seja, verduras à parte; o doce: tiramisù, panna cotta (pudim) ou sorvete, por exemplo; a bebida (da água com gás ao café). É estranho para um turista comer o macarrão sozinho antes da carne, porque o primeiro e o segundo prato não se pode comer juntos (pode pedir um prato só, mas já que estamos lá, vamos seguir a tradição não é mesmo?).

3 - O CAFÉ DA MANHÃ POUCO SABOROSO: os italianos não comem ovo, presunto e bacon no café-da-manhã, isso deixam alguns turistas perplexos. Um típico café-da-manhã italiano chamam de "prima colazione" ou simplesmente "colazione", é composta de uma bebida quente como o café, cappuccino, chocolate quente ou o chá preto junto ao pão, pão tostado, brioche, cornetti, biscoitos ou tortas. O café da manhã se realiza no bar (diferente dos típicos americanos) que servem café e produtos de forno para pessoas que querem um café-da-manhã rápido antes de ir ao trabalho ou escola. Se estiverem na Itália e querem ter um café-da-manhã gostoso, comer no hotel é a escolha melhor.

4 - GESTICULAR COM AS MÃOS: a Itália não seria a Itália sem os italianos e, os italianos não seriam os italianos sem os gestos das mãos. Os turistas se divertem muito ao ver as pessoas falarem na praça contando histórias com as mãos que se movem de cá e de lá. A linguagem dos gestos italianos foi herança dos gregos que se transferiram para a Itália meridional para colonizar Nápoles. Os italianos naquele período utilizavam gestos para se comunicarem sem serem ouvidos e isso se tornou uma tradição que ainda existe no sangue de cada italiano (sim, o típico Brasileiro descendente de italiano sabe muito bem do que estamos falando, hahaha).

5 - A DEVOÇÃO À FAMÍLIA: os italianos são conhecidos pela estreita ligação familiar deles, o amor pelas crianças e a assistência aos idosos. Os estrangeiros percebem rapidamente que os italianos colocam a família deles em primeiro lugar e, não é uma vergonha para os italianos solteiros estar com os pais até que tenham formado uma família. Além disso, as crianças são livres de fazer aquilo que querem em público. São toleradas e acolhidas nos restaurantes, mesmo se se divertem correndo, mexendo em tudo ou fazendo birra e tudo porque, são parte da família (mais uma característica que não é tão diferente assim para os brasileiros, e novamente, principalmente aqueles descendentes dos italianos).

10 paixões dos Italianos - post 02/02
18.10.2016

Dentre muitas paixões que os Italianos tem, listamos algumas que (não podemos negar) também são paixões dos Brasileiros (post 02/03):

  1. AZEITE: De origem Portuguesa, esse "tempero'' é extremamente usado na culinária Brasileira e Italiana, tanto na preparação de alimentos quanto em saladas. Ele é usado até para hidratação dos cabelos e peles (há muitos cremes que o usam como composto principal).

  2. TRUFAS NEGRAS: Tradicionalmente encontrada no Périgord, na França, as trufas negras estão entre os ingredientes mais desejados do mundo, por causa de seu sabor único. Um sabor amado pelos Italianos e por nós, Brasileiros. Elas são caçadas por cães treinados, que reconhecem o seu cheiro mesmo enterradas a quase 30 cm da superfície. Apesar de estarem sempre próximas das raízes das árvores como verdadeiros presentes na natureza, a sua obtenção não é nada simples, e por isso o seu preço somado a outros fatores é tão alto.

  3. VINHO: Ah… o vinho. O vinho é, genericamente, uma bebida alcoólica produzida por fermentação do sumo de uva. Na União Europeia, o vinho é legalmente definido como o produto obtido exclusivamente por fermentação parcial ou total de uvas frescas, inteiras ou esmagadas, ou de mostos. No Brasil, é considerado vinho a bebida obtida pela fermentação alcoólica de mosto de uva sã, fresca e madura, sendo proibida a aplicação do termo a produtos obtidos a partir de outras matérias-primas. E claro, somos amantes dessa delícia.

10 paixões dos Italiano - post 01/02
11.10.2016

Dentre muitas paixões que os Italianos tem, listamos algumas que (não podemos negar) também são paixões dos Brasileiros (post 01/03):

  1. PASTA: essa tinha que ser a primeira e não poderia ser outra paixão nacional (Italiana e Brasileira). Fazer massa para a família é uma tradição antiga dos Italianos que permanece até hoje em nossas mesas. Provando isso, qual o prato típico de domingo? Macarrão! Amamos e continuaremos a amar os italianos por nos trazer essa maravilha para nossa cultura.

  2. PIZZA: Olha a pasta de novo! Um sabor típico da Itália é a Marguerita, composta por mussarela, tomate, folhas de manjericão grandes, orégano e azeite. E é claro que temos essa pizza aqui também, amamos!

  3. EXPRESSO: Aquele cafézinho depois de comer Una Bella Pasta ou Pizza é sempre bem vindo né? Nós temos esse costume assim quanto eles.  Prospero Alpino descreve o cafeeiro no livro De Plantis Aegypti, publicado em Veneza. Segundo relatos, a primeira importação de café para Europa é feita pelos Venezianos. No Brasil foi trazido pelos Holandeses.

curiosidades sobre a Itália - parte 03
12.09.2016

25. Os meses do ano em italiano são parecidos com os da língua portuguesa: Gennaio, Febbraio, Marzo, Aprile, Maggio, Giugno, Luglio, Agosto, Settembre, Ottobre, Novembre e Dicembre. Os dias da semana são diferentes. Veja: Lunedi, Martedi, Mercoledi, Giovedi, Venerdi, Sabato e Domenica.

26. A bandeira nacional da Itália é chamada de “tricolor”. Distribuídas em faixas verticais de iguais dimensões, as cores da bandeira são verde (que significa Liberdade), branco (Igualdade) e vermelho (Fraternidade).

27. Empresas italianas com fábrica ou representação no Brasil: Giorgio Armani, Fiat (a empresa faz parte do mesmo grupo fabricante da Ferrari e Alfa Romeo), Magnetti Marelli, Alitalia, Barilla, Tim, Bulgari, Ferrero, Campari, Iveco e Pirelli.

28. O Brasil foi um dos países que mais receberam imigrantes italianos. Calcula-se que mais de 25 milhões de brasileiros tenha origem italiana, a maioria de imigrantes vindos das regiões do Vêneto, Campânia, Calábria, Lombardia e Abruzzo.

29. As regiões que mais receberam imigrantes italianos foram o Sudeste e o Sul. O Estado com maior porcentagem de descendentes de italianos é São Paulo. No início do século XX, dois de cada três moradores da capital paulista falavam italiano.

30. Estados Unidos, Canadá e Argentina também receberam grandes levas de imigrantes oriundos da Itália.

31. O Cruzeiro e o Palmeiras foram times fundados por italianos. Antigamente, o Palmeiras era conhecido apenas por Palestra Itália.

32. Personalidades brasileiras de origem italiana: Lélia Abramo, Alessandra Ambrosio, Giovanna Antonelli, Ana Paula Arósio, Morena Baccarin, Adoniran Barbosa, Lina Bo Bardi, Rubens Barrichello, Luigi Barricceli, Nair Bello, Tony Bellotto, Leonardo Boff, Victor Brecheret, Luciano Burti, Adriana Calcanhotto, Mino Carta, Igor Cavalera, Max Cavalera, Rogério Ceni, Renata Ceribelli, Victor Civita, Marina Colasanti, Juliana Didone, Dunga, Miguel Falabella, Débora Falabella, Priscila Fantin, Laura Finocchiaro, Emerson Fittipaldi, Christian Fittipaldi, Isabeli Fontana, Giulia Gam, Emílio Garrastazu Médici, Elio Gaspari, Zélia Gattai, Reynaldo Gianecchini, Bruno Giorgi, Egberto Gismonti, Gianfresco Guarnieri, Bruna Lombardi, Maurren Maggi, Anita Malfatti, Felipe Massa, Amácio Mazzaropi, Júlio Medaglia, Fernando Meligeni, Fernanda Montenegro, Marco Nanini, Emilio Orciollo Neto, Giuseppe Oristanio, Sabrina Parlatore, Luana Piovani, Zizi Possi, Luiza Possi, Orestes Quércia, Carlos Alberto Ricelli, Renato Russo, Rodrigo Santoro, Luiz Felipe Scolari, Deborah Secco, José Serra, Eduardo Suplicy, Mário Zagallo, Kiko Zambianchi e Zetti.

33. A cor azul da camisa da seleção italiana de futebol é a cor da monarquia – apesar da Itália não ser mais uma monarquia.

34. A seleção italiana jogou cinco vezes contra o Brasil em Copas do Mundo. Foram duas vitórias, duas derrotas e um empate.

35. A Itália participou de seis finais de Copa do Mundo, atrás apenas da Alemanha e do Brasil. Ela foi campeã em 1934, 1938, 1982 e 2006.

Curiosidades sobre a Itália - parte 02
05.09.2016

12. Milão é uma das maiores produtoras de moda de alto luxo. A cidade é sede de grifes como Valentino, Gucci, Versace, Prada, Armani e Dolce & Gabbana. A Semana de Moda de Milão é uma das mais prestigiadas do mundo.

13. Os santos católicos italianos mais conhecidos no Brasil: São Benedito, Santa Cecília, São Francisco de Assis, São Francisco de Paula, São Genaro (também conhecido como São Januário), Santa Inês, Santa Madre Paulina (que, apesar de ter nascido na Itália, viveu no Brasil), Santa Rita de Cássia, Santa Rosa de Viterbo (que dá nome a uma cidade do estado de São Paulo) e São Tomás de Aquino.

14. Enquanto o brasileiro tem o costume de comer pão francês no café da manhã, os italianos mantém o de comer brioches. O brioche é uma espécie de pão doce recheado com creme.

15. O panetone surgiu em meados do século XVII na região da Lombardia. Existem inúmeras versões para a sua origem. Uma das mais aceitas é a do padeiro Toni de Milão. Toni preparou um pão com massa doce e leve, acrescentou frutas e passas e começou a vendê-lo pela cidade. Foi daí que nasceu o Pane Di Toni, que mais tarde passou a chamar-se panetone.

16. Os antigos hebreus, babilônios, fenícios e árabes já comiam alimentos parecidos com a pizza. Em relação à pizza moderna, ela foi criada em 1889 pelo pizzaiolo Raffaele Esposito durante uma visita do Rei Umberto I e da Rainha Margherita a cidade de Nápoles. O nome, portanto, é uma homenagem à rainha. A Margherita possui as cores da bandeira italiana: verde (manjericão), branco (mussarela) e vermelho (tomate).

17. A legítima mussarella (em italiano, mozzarella) italiana é produzida com leite de búfala.

18. Apesar de ter nascido há mais de dois mil anos, a mortadela é considerada o mais legítimo embutido italiano. Preparada com a paleta do porco, a mortadela bolonhesa é considerada a mais autêntica. Fãs do embutido, os italianos elegeram até uma Rainha da Mortadela: a atriz Sophia Loren. A escolha foi realizada em 1971, quando ela estrelou La Mortadella, filme dirigido pelo diretor Mário Monicelli.

19. Criada por imigrantes italianos, a linguiça calabresa não tem similar na Itália. Ela recebeu o nome da pimenta usada na sua composição. Por falar nisso, a linguiça é chamada na Itália de salsiccia.

20. O salame é tipicamente italiano. O nome é derivado do verbo italiano salare, que significa salgar.

21. Os italianos não usam o sobrenome do meio.

22. O filme O Feitiço de Áquila, de 1985, foi gravado na cidade de Áquila, região de Abruzzo.

23. A Itália foi o país que ganhou o maior número de “Oscars” de língua estrangeira.

24. Existe na localidade de Salemi, na ilha da Sicília, um museu sobre a máfia. É o primeiro museu do mundo dedicado ao assunto.

Curiosidades sobre a Itália - parte 01
29.08.2016

Artesanalli te mostra algumas curiosidades sobre a Itália em geral em 3 posts, confira:

  1. A Itália é o 18º países mais desenvolvido do mundo e o 8º no índice mundial de qualidade de vida.

  2. A palavra Itália vem do latim “Italia”, que se originou de uma fonte não latina. É provável que a etimologia do nome “Itália” esteja relacionada ao grego antigo “italos” (touro), do proto-indo-europeu “wet”. Os bovinos sempre tiveram grande importância para os povos da antiga Península Itálica.

  3. A região da atual Itália foi habitada por diversos povos: celtas, lígures, vênetos, sardos, etruscos, gregos, latinos etc. A mais importante dessas culturas foi a romana (latinos), seguida da etrusca e da grega.

  4. Havia diversas colônias gregas ao Sul da atual Itália. Os gregos chamavam a região de Magna Grécia.

  5. Antes de adotar o Euro como moeda, o país usava a Lira italiana.

  6. A língua oficial é o italiano, falado por quase toda a população. Existem diversos dialetos regionais como o vêneto, o napolitano e o sardo. Existem também um grande número de falantes de francês, alemão e esloveno.

  7. Além de capital, Roma é a cidade mais populosa da Itália. É também a terceira da União Europeia que mais recebe turistas.

  8. A segunda cidade italiana mais populosa é Milão. A região metropolitana de Milão, no entanto, é a que possui a mais alta densidade populacional. Apesar de Milão ter “apenas” 1,3 milhão de habitantes, a Grande Milão possui 2,7 milhões.

  9. A maior parte da população (diga-se 87%) segue o catolicismo. Outros grupos religiosos: cristão ortodoxos, gregos ortodoxos e protestantes.

  10. A Itália é dividida em 20 regiões: Abruzzo, Basilicata, Calábria, Campânia, Emília-Romanha, Friuli-Venezia, Lácio, Ligúria, Lombardia, Marche, Molise, Piemonte, Apúlia, Sardenha, Vale de Aosta, Toscana, Trentino-Alto Ádige, Úmbria, Sicília e Vêneto.

  11. As regiões mais populosas: Lombardia (região de Milão), Campânia (onde fica Nápoles), Lácio (da Capital Roma), Sicília (Palermo), Emília-Romanha (Bolonha) e Toscana (Florença).

Ancona - parte 02
22.08.2016

É uma pena que, durante a Segunda Guerra, os bombardeios aliados (não os brasileiros, ainda bem!) tenham provocado sérios danos no centro histórico da cidade. Felizmente salvaram-se o lindo Duomo românico, que ostenta um pórtico gótico; a Loggia dei Mercanti, edifício gótico-veneziano do século XV, que tinha a função de bolsa de mercadorias e valores; a pequena igreja românica de Santa Maria della Piazza; a igreja de San Francesco delle Scale; e o Arco di Traiano, do século II, remanescente do Império Romano.

Em Ancona há um Museo Archeologico, com um acervo de peças que vai da pré-história aos romanos, e uma boa pinacoteca, a Galleria Comunale Francesco Podesti, com obras de Tiziano e de outros grandes mestres, além de uma seção de arte moderna.

També há atrações nos arredores de Ancona como:

Loreto –  Há trens diretos a partir de Ancona (20 minutos). De carro, em Ancona (15 km), pegue a S16. A pequenina cidade é um dos mais famosos locais de peregrinação cristã da Europa. A razão disso é a Santa Casa, ou Casa de Maria, que teria sido trazida de Nazaré por anjos em 1294 e colocada em um bosque de loureiros que deu nome ao lugar. Na verdade, as três paredes da casa onde teria vivido a Virgem foram levadas à Itália por anjos de carne e osso: a família bizantina Angeli (“anjos”, em italiano). Se essas são de fato paredes da casa em que Maria recebeu a Anunciação, não se sabe. Porém as dimensões delas são compatíveis com as das paredes internas da gruta existente em Nazaré. Basilica de Loreto e Santa Casa (foto).

Jesi  Há trens diretos a partir de Ancona (30 minutos). De carro, em Ancona (12 km), pegue a S76. Antiga cidade da época dos romanos que ainda conserva as muralhas e um centro histórico com edifícios medievais e renascentistas, com destaque para o Palazzo Pianetti, onde funciona uma pinacoteca, e o Palazzo della Signoria, do final do século XV. A região em volta é cheia de videiras: a cidade é famosa por seu vinho branco, o Verdicchio. 

Grotte di Frasassi  – Há acesso por trem a partir de Ancona (1h) para a estação Genga/S. Vittore Terme, nas proximidades. De carro, pegue a S76 em Jesi (30 km). Um espetacular conjunto de cavernas, onde passarelas e um sistema de iluminação permitem a visitação. Compostas por diversas “salas” de diferentes tamanhos, onde se espalham estalactites e estalagmites, as grutas parecem ser de outro planeta! 

Parque Regional do Conero  – Cortado por uma estrada panorâmica que sai de Ancona e vai até Numana, o parque situado no Monte Conero, que fica à beira-mar, porém a 572m de altura, oferece maravilhosas paisagens de bosques, falésias e rochedos a pique à beira do oceano, pequenas praias e minúsculas baías escondidas entre as pedras, de frente para um mar de cor de esmeralda. É um ótimo passeio para quem está de carro. 

Ancona - parte 01
16.08.2016

Região praiana maravilhosa da Itália, impossível falar dela em apenas um post. Hoje e na próxima semana falaremos de suas características.

Ancona (cujo nome significa “cotovelo” em grego), fundada por gregos da colônia siciliana de Siracusa, é a capital regional e a cidade mais importante do Marche. Estabelecida sobre uma elevação à beira-mar, foi durante a Idade Média uma próspera república marítima.

E como chegar nessa cidades? Há 3 maneiras, uma delas é de avião pelo aeroporto Raffaello Sanzio (Falconara), porém não há voos diretos do Brasil. A segunda opção é de carro, tem que estar em Roma (285 km), pegue a A24/A25 em direção a Pescara e depois a A14, que acompanha a costa do Adriático. De Florença (320 km), pegue a S67 (direção Ravenna) e depois a A14, passando por Rimini. Há outros caminhos por estradas secundárias que cruzam os Apeninos, mas neles o trajeto é mais demorado e complicado. E a última opção é de trem, saem trens diretos a partir de Roma (3h30 a 4h). Quem parte de Florença (3h30 a 4h) deve fazer baldeação em Bolonha. 

A melhor época para se visitar Ancona não são nos auges do verão e inverno, outras épocas como primavera e outono são as mais bonitas e com temperaturas amenas.

Basilicata
08.08.2016

Região encontrada em Matera, "patrimônio da humanidade" pela UNESCO. Trata-se dos "sassi di Matera" (literalmente, pedras de Matera), uma das mais singulares, antigas e extraordinárias povoações humanas do mundo, que há décadas chama a atenção de estudiosos e artistas do mundo inteiro (o escritor italiano Carlo Levi referiu-se a eles em seu famoso livro "Cristo si è fermato a Eboli"). Nas "pedras", as casas são escavadas na rocha  e as paredes são construídas com o mesmo material escavado. Habitadas até pouco tempo atrás, hoje as "pedras" foram esvaziadas e são objeto de trabalhos de restauração e valorização culturale turística. Uma visita aos "sassi di Matera" é uma experiência realmente única. Mas esta não é a única razão para se ir a essa pequena, isolada, belíssima região, banhada por dois mares: o Tirreno e o Jônio. Encontram-se na Basilicata ruínas gregas (Metaponto), igrejas e castelos medievais (Melfi,Lagopesole), praias lindíssimas (Maratea), uma natureza não poluída (a Basilicata divide com a Calábria o esplêndido Parco del Pollino). E Matera não tem só as "pedras'', é também de grande interesse, a singular mistura de românico e barroco da Igreja de S.Francesco. Enfim, por que não programar uma esticada até Venosa, pátria do grande e sábio poeta latino Horácio? Ali, entre outras coisas, se pode admirar a Abadia medieval da SS. Trinità e outros monumentos interessantes. Na capital da região, Potenza, velhos e recentes terremotos danificaram gravemente o centro histórico. Mas o Museu arqueológico merece uma visita. Fazem parte as províncias: Matera e Potenza.

Abruzzo
01.08.2016

Abruzzo tem 30% do seu território protegido por leis ambientais. Nenhuma outra região da Europa pode gabar-se de algo assim. Não é por acaso que ela é chamada de "a região dos parques". Possui 3 Parques nacionais, um Parque regional e dezenas de áreas e reservas naturais protegidas. Numa região assim, parece natural que a capital se chame L'Aquila - a águia, emitaliano. Dominada por um imponente Castelo do século XVI (que hospeda o Museu Nacional deAbruzzo), L'Aquila tem esplêndidos monumentos civis e religiosos, medievais e renascentistas. Na costa de Abruzzo  sesobressai Pescara, pátria de Gabriele D'Annunzio (cuja casa natal é hoje um pequeno mas sugestivo museu). Em Chieti há um importante Museu Arqueológico Nacional, conhecido (e premiado) pela modernidade e pela eficácia da sua organização . O "ponto forte" do Museu é o Guerreiro de Capestrano, uma estátua funerária do séc. VI a.C., encontrada na província de L'Aquila em 1934. Em Teramo, no interior do Duomo, é imperdível o estupendo Paliotto - ornamento da parte anterior do altar - do século XV, de autoria do grande ourives natural de Abruzzo, Nicola da Guardiagrele. Mas o Abruzzo é surpreendentemente rico em tesouros arquitetônicos e artísticos, quase tanto quanto em tesouros naturais e em tradições populares (como a "festa dei serpari" de Cocullo, que a cada primeiro domingo de Maio leva milhares de pessoas à minúscula aldeia). Fazem parte de Abruzzo as províncias: L´Aquila,  Pescara e Teramo.

Piemonte     
25.07.2016

Turim, capital do Piemonte é capital da grande indústria italiana (aqui fica a sede da FIAT, (Fabrica Italiana de Automóveis Turim!) uma das maiores indústrias automobilísticas do mundo, também é um dos centros de maior atração turística da Itália. No Duomo é guardado o Santo Sudário, o antigo lençol de linho em que, segundo a tradição, foi envolvido o corpo de Cristo ao descer da Cruz, atraíndo milhares de fiéis.  Também é importante o Museu Egípcio, com extraordinária coleção do Antigo Egito, e a Galeria Sabauda, com obras-primas de grandes artistas europeus. Em Turim, enfim, acham-se alguns grandes testemunhos monumentais do papel de protagonista que o Piemonte teve na história italiana dos últimos séculos, como sede da Casa de Sabóia (a dinastia que reinou na Itália até 1946) e primeira capital do Reino da Itália: Palazzo Reale, Palazzo Madama, a Mole Antonelliana, a Villa Reale de Stupinigi. Há também lindas cidades e províncias de Novara, Vercelli, Cuneo, Alessandria, Asti, com importantes monumentos, fortalezas, basílicas, conventos. Esplêndidos e variados os cenários naturais: montanhas, vales, colinas, como  as Langhe, que servem de ambiente para muitas narrações de Cesare Pavese e Beppe Fenoglio, famosos escritores do Piemonte, lagos Maggiore, d'Orta, Viverone e o Parque Nacional da Valgrande. De tradição gastronômica e vinícola, onde são produzidos vinhos italianos d emuito prestígio. Fazem parte do Piemonte as províncias: Alessandria, Asti, Biela, Cuneo, Turim, Novara, Verbano, Cusio, Ossola e Vercelli.

Lombardia
18.07.2016

 A  mais rica, a mais desenvolvida, a mais populosa região italiana. E, justamente por isso uma das mais surprendentes pelo seu patrimônio histórico, monumental, artístico e natural. Milão, capital da moda, publicidade e design, é uma grande cidade industrial e comercial. Milão esconde extraordinários tesouros arquitetônicos e artísticos como a  Duomo e o castelo Sforzesco, Teatro alla Scala e a Pinacoteca de Brera. O resto da Lombardia conta com esplêndidas paisagens naturais como os lagos, o Parco dello Stelvio, monumentos e obras de arte de altíssimo valor. Em Monza, em Varese, em Como, em Bergamo, em Bréscia, em Pavia, em Lodi, em Cremona, em Varese, cada  época deixou a sua marca cultural e artística:nas estruturas urbanísticas e igrejas.  Do românico ao gótico, do renascentista ao barroco, até as mais ousadas e inovadoras soluções arquitetônicas e artísticas da modernidade e da atualidade: a Lombardia ostenta um imponente patrimônio cultural e artístico. Fazem parte da Lombardia as províncias: Bergamo, Milão, Como, Cremona, Lecco, Lodi, Cremona, Mantova, Monza, Brianza, Pavia, Sondrio e Varese

Campania
11.07.2016

Dizem que o dialeto napolitano é mais conhecido no mundo do que a língua italiana. E as canções napolitanas são conhecidas no mundo inteiro. Quem não ouviu  "O sole mio"? E no entanto, essa difusão do dialeto napolitano esconde uma outra verdade: o napolitano não é um dialeto, mas uma autêntica língua, que exprime e veicula uma cultura autônoma, formada e consolidada ao longo dos séculos. Em suma, Nápoles faz sua própria história. E é por isso que ela é tão conhecida, amada e visitada: porque é uma cidade única no mundo, que fascina e conquista  mesmo que está de passagem. E como poderia ser diferente, diante da beleza do seu mar, do fascínio da sua história, da simpatia da sua gente, da beleza dos inúmeros monumentos arquitetônicos de todos os tempos e de todos os estilos que embelezam a cidade? Campânia, a região cuja capital é Nápoles: com esplêndidas ilhas napolitanas como Capri, Ischia, Procida, e a espetacular costa de Amalfi, na magnífica Reggia di Caserta, no sítio arqueológico de Paestum (na província de Caserta) e nos muitas outras belíssimas localidades da Campânia. Não por acaso os antigos chamavam de "felix" essa terra. Fazem parte da Campânia as províncias: Avellino, Benevento, Caserta, Nápoli, Salerno.

 

Região da Ligúria     
04.07.2016

Montanhas e rochedos que parecem erguer-se diretamente do Mar de Ligúria, na orla setentrional extrema do Mediterrâneo. É a paisagem dominante da Ligúria, fascinante e empolgante. A capital Gênova é um dos principais portos do Mediterrâneo, pátria de Cristóvão Colombo, o grande navegador que descobriu a América. Poderosa cidade marítima desde a Idade Média, Gênova conserva em grande parte os vestígios da  história. Edifícios imponentes, e grandes igrejas testemunham o esplendor passado, integrando-se perfeitamente na trama da cidade moderna. As províncias da Ligúria como Imperia e os outros importantes centros portuários da região; La Spezia e Savona, possuem  inúmeras atrações naturais e artísticas. Portofino e as Cinque Terre são um exemplo excepcional de natureza mediterrânea exuberante; assim como Portovenere e Sanremo (cujo cassino é todos os anos sede do popular Festival da Canção Italiana) é uma das mais típicas e famosas estações balneárias italianas. Com monumentos de grande valor histórico-artístico, destaca-se a esplêndida abadia beneditina de S. Fruttuoso, em Camogli.

 

Calábria
27.06.2016

Devemos ser eternamente gratos aos Bronzes de Riace, as 2 estátuas gregas recuperadas no mar e expostas, a partir do início da década de 80, no Museo Nazionaledella Magna Grecia de Reggio Calabria. Graças à irresistível atração exercida pelas 2 obras-primas (um dos quais atribuído a Fídias, grande escultor grego do séc. V a.C.), atraem milhares de visitantes.

A Calábria é uma terra belíssima, com mar sem poluição, em alguns lugares de natureza ainda selvagem, com obras-primas arquitetônicas e artísticas.  Fascinante Calábria das surpresas, por vezes refinadas. Como por exemplo, o Codex Purpureus, um raro evangeliário grego do séc. VI, conservado no Museu Diocesano.  É  de tirar o fôlego a pitoresca costa de Tropea, sobre o mar Tirreno (a Calábria também é banhada pelo mar Jônio). Fazem parte da Calábria as províncias: Catanzaro, Cosenza, Crotone, Reggio Calabria e Vibo Valentia.

Lázio
20.06.2016

Roma é a capital do Lázio, grande e irresistível a atração da Cidade Eterna, capital da cristandade, sede do Papa, suas incomparáveis obras-primas arquitetônicas e artísticas do mundo antigo.  Descobriríamos assim uma região de grande fascínio natural e ambiental, com uma extraordinária variedade de paisagens: vastas praias, grandes bosques de pinheiros, montes como o Terminillo, como ótima estação de esqui,  suaves colinas e amplas planícies.

Uma região rica em monumentos de arte, que recordam a extraordinária história desta região. Em Tarquinia, Cerveteri e Tuscania, necrópoles e museus recordam o antigo e misterioso povo dos etruscos (séc. VII-VI a.C.), que dominou a Itália central antes da ascensão de Roma. Os testemunhos da romanidade e das épocas históricas seguintes são inúmeras fora de Roma, nas outras províncias do Lázio e nas própriascapitais provinciais: Rieti, Viterbo, Latina e Frosinone.

Lazio sendo o berço da civilização romana é incrivelmente rico em extraordinários relíquias de diferentes periodos.

Importantes vestigios da civilizaçao etrusca podem ser vistos em Veio, Vulci, Tarquínia e Cerveteri. A região sempre foi o centro de intensiva vida artistica, desde a idade média até o século XVIII, tendo como foco principal a presença da igreja. O vaticano, sede do papado, está mo centro de Roma.

E m i l i a - R o m a n a
13.06.2016

 

Com extraordinário patrimônio histórico, artístico e cultural é uma das regiões mais prósperas da Itália, a Emilia-Romana é conhecida pela obras de arte, universidades antigas e famosas, de modernos centros de formação artística e cultural.

Em Bolonha, sede da mais antiga da Universidade italiana (séc. XI), são realmente inúmeros os monumentos de grande nível artístico. Como as espetaculares Torres dos Asinelli e da Garisenda, ambas pendentes,  a Piazza Maggiore, com os seus grandes edifícios medievais, e o gótico Duomo di S. Petronio, onde Carlos V foi coroado imperador, em 1530.

Fora de Bolonha, são imperdíveis as obras-primas bizantinas de Ravenna, o Batistério medieval de Benedetto Antelami em Parma, o Templo malatestiano de Rimini, a igreja românica de S.Mercuriale em Forlì, o velho Palazzo comunale de Piacenza, o Santuário da Madonna della Ghiara, do séc. XVII, em Reggio Emilia, a esplêndida Galleria Estense de Modena, cidade onde se fabricam as jóias da Ferrari. O harmonioso e intacto centro histórico de Ferrara é fantástico.

Você já foi pra lá? Conte mais pra nós da Artesanalli.

 

 

Cortona
06.06.2016

Na Itália, uma cidade pequenina e  maravilhosa para se conhecer é Cortona. Localizada na Toscana, próximo a Florença, no alto de um morro (600 metros acima do nível do mar), foi construída pelos Etruscos e conquistada pelos romanos em 310 DC, tendo muita história naquelas pedras.

Você começa a subir pela estrada (de carro ou de ônibus de linha que sai da estação de trem) e vão aparecendo os prédios, igrejas, as árvores, tudo isso contrastando com o céu azul.

Passar o dia é muito agradável. Andar pela cidade (vá preparado com sapato confortável pois tem muitas subidas e descidas), tomar um “gelato” e um “espresso”, “mangiare una pasta”.

Além de sentir a cidade, há uns pontos turísticos interessantes como a praça principal com Palazzo Comunale (prefeitura), a igreja de São Francisco de Assis  (há relíquias do São Francisco e um relicário de mármore com fragmentos da Santa Cruz), a Catedral da Santa Maria Assunta.

Você acha que nenhum turista vai lá? Pelo contrário, desde que ela apareceu no filme “Sob o sol da Toscana”, os turistas não param. Muitos norte-americanos compram propriedades com o sonho de morar lá (como ocorre no filme).

Realmente a cidade é muito bonita, com um ar especial!!!

 

 

Sicilia
02.06.2016

O orgulho que o povo siciliano por sua terra é muito bonito, e não é à toa, um lugar muito lindo para se viver e visitar. Seu orgulho é tão visceral que, antes de serem italianos, se consideram sicilianos e mesmo aqueles que emigraram há muitas décadas ainda carregam consigo o profundo amor pela própria terra. Se você perguntar a um siciliano por qual motivo alguém deveria fazer uma viagem pela Sicília, certamente vai ouvir que esta é uma terra maravilhosa, que não há lugar igual no mundo e que tudo aqui é melhor do que no resto da Itália.

Artesanalli te apresenta aguns motivos para se deliciar com essa cidade:

1. O calor humano: o povo siciliano é muito acolhedor e nisto se parece bastante com o brasileiro. Mesmo que não falem a sua língua, tentam de um jeito ou de outro lhe entender. Mesmo que o conheça há somente cinco minutos, já o convidam para um almoço com a família. Se você pede informações sobre como chegar em um lugar, muitas vezes o acompanham pessoalmente. E para puxar conversa então, é no ponto de ônibus, na fila do banco, na sala de espera do médico. Os sicilianos adoram falar da própria vida e fazer perguntas sobre a sua!
2. A comida: tem quem diga que a cozinha siciliana é a melhor da Itália, já fizeram pesquisas, divulgaram rankings, etc. Mas como eu considero comida uma questão de gosto pessoal, e o que é gostoso para mim pode não ser para você, digo somente que a cozinha siciliana é incrivelmente simples e variada, onde se dá valor aos produtos genuínos e de alta qualidade. A culinária siciliana também retrata em seus pratos a influência dos povos que por aqui passaram e os costumes de um período difícil, quando se usava ingredientes locais e não se desperdiçava nada.

3.Diversas atrações: em uma distância de poucos quilômetros passa-se da paisagem urbana à rural, nos deparamos com um vulcão, lava petrificada, cenários de montanha e logo mais adiante o mar. Sítios arqueológicos, grandes cidades, burgos, vilarejos, cidadezinhas que são verdadeiras jóias da arquitetura.


 


 

 


 

Catedral de Milão
23.05.2016

Duomo di Milão, em italiano, é a Catedral que esta localizada na praça central de Milão, na Lombardia, norte da Itália. Ela é sede da Aquidiocese de Milão e uma das mais belas e complexas arte no estilo gótico da Europa.

Ela tem 157m de comprimento e 109m de largura, seu interior chega a ter 45m dividida em 40 pilares. Considerada um estilo gótico flamenjante que é incomum na Itália.

A construção do edifício começou em 1386 sob a iniciativa do arcebispo Antonio da Saluzzo, em um estilo gótico tardio de influência francesa e  centro-europeia, distinto ao estilo corrente na Itália de então. Os trabalhos foram apoiados pelo senhor da cidade, o duque Gian Galeazzo Visconti, que impulsou a obra através de facilidades fiscais e promoveu o uso do mármore de Candoglia como material de construção. A obra avançou rápido, e em 1418 o alto-mar da catedral foi consagrado pelo Papa Martinho V. Já em meados do século XV a parte leste (abside) da igreja estava completa. A partir desta data, porém, as obras prosseguiram lentamente até fins do século XV.

Entre 1500 e 1510 a cúpula octagonal do cruzeiro foi completada e o interior foi decorado com várias séries de estátuas. Porém, a fachada oeste do edifício permaneceu ainda inacabada. Em 1577 a catedral foi consagrada novamente pelo arcebispo Carlos Borromeu. Apenas no século XVII foi a fachada construída, em estilo maneirista. Em meados do século XVIII foi completada a parte externa da cúpula, onde foi colocada a estátua da Madoninna.

Em 1805, por iniciativa direta de Napoleão, que havia invadido a Itália, as obras foram recomeçadas. Nessa época a fachada principal e grande parte dos detalhes exteriores, como os pináculos, foi completada em uma mistura de estilos, entre o neogótico e o neobarroco. Apenas em 1813 foi a catedral dada por finalizada, mais de quatrocentos anos após o início das obras. Porém no XX século foi julgado necessário trocar as cinco portas da fachada, o que só foi acabado em 1965. A catedral é atualmente um importante ponto turístico de Milão, e do alto do seu terraço é possível vislumbrar toda a cidade.

Essa catedral que sempre teve réplicas de metal comercializada aos turistas ficou ainda mais famosa no dia 13 de dezembro de 2009, num domingo, Silvio Berlusconi foi atingido com uma dessas réplicas. Após o fato, a venda das réplicas triplicaram instantaneamente em todas as lojas, sendo a maioria dos clientes eram esquerdistas ou opositores do governo do primeiro ministro. Sua forma gótica e pontiaguda (com 136 pontas de mármore) explica a gravidade dos ferimentos.

 

História de Veneza
16.05.2016

A cidade de Veneza é formada em pequenas ilhas, dunas de areia da laguna a noroeste do mar Adriático. Habitantes de cidades próximas logo se refugiaram lá para se proteger dos bárbaros que vinham tomando conta da Europa.

Foi uma das cidades mais importantes da Europa, com uma história rica e um império de influência mundial comandado pelos doges, os líderes da cidade. 

Graças à localização privilegiada no meio da rota entre o Oriente e o Ocidente, excelentes navegadores e poderio militar, a cidade tornou-se um próspero centro mercantil e naval. Tornou-se uma potência comercial a partir do século X, quando sua frota já era uma das maiores da Europa. O historiador Fernand Braudel classificou-a como a primeira capital econômica do Capitalismo. 

Hoje é Patrimônio da Humanidade pela UNESCO. Dos muitos monumentos e locais turísticos existentes, destacam-se a imponente Basílica de São Marcos, na Piazza San Marco, a famosa Ponte de Rialto sobre o Canal Grande, construída em 1588 segundo projeto de Antonio da Ponte, o Campanário, a Ca'dÓro, o Palazzo Ducale e numerosas igrejas e museus.

O Carnaval de Veneza - o uso de máscaras de carnaval com as idades da história e tradições
09.05.2016

Os carnavais mais conhecidos são os do Brasil e de Veneza, hoje Artesanalli irá falar um pouco mais sobre o de Veneza.

Veneza foi o lugar ideal para expressar o espírito viciado em jogos e reduz a barreira social existente não só em lá mas em todos os lugares.

O evento atrai turistas do mundo inteiro, ele transforma a cidade em um grande momento festivo onde encontra entretenimento, gastronomia e música.

A origem da festa vem de duas tradições, a Saturnália Latina e dos cultos dionisíacos gregos. Essas duas grandes festas são de religiosas e utilizam máscaras e representações simbólicas e assim o carnaval de Veneza reformulou essas festas com base nessas tradições. 

 

Herança dos Imigrantes
02.05.2016

Quando houve a povoação do Brasil, a maioria foi de Italianos. Conforme foi passando o tempo, a cultura brasileira foi tendo modificações devido a influência italiana. 

    Mudança de costumes como alimentação, dança, religião, etc.

    Artesanalli lista aqui algumas das influências italianas no Brasil:

- Introdução de elementos tipicamente italianos no catolicismo de algumas regiões do Brasil (festas, santos de devoção, práticas religiosas).

- Diversos pratos que foram incorporados à alimentação brasileira, como o hábito de comer panetone no Natal e comer pizza e espaguete freqüentemente (principalmente no Sudeste), além da popular polenta frita.

- O sotaque dos brasileiros (principalmente na cidade de São Paulo, o sotaque paulistano), na Serra gaúcha, no sul catarinense e no interior do Espírito Santo.

- A introdução de novas técnicas agrícolas (Minas Gerais, São Paulo e no Sul).

- A criação do time Palestra Itália em 1914 com o intuito de aproximar e unificar os imigrantes italianos que viviam na cidade de São Paulo. Mas por ocasião da segunda guerra mundial, o time foi forçado a mudar o seu nome para Sociedade Esportiva Palmeiras sob pena do clube perder todo o seu patrimônio físico. Isso por imposição da ditadura Vargas após declarar guerra contra a Itália, sendo criminalizado no Brasil qualquer manifestação cultural italiana.

- A imigração italiana no Brasil também serviu de inspiração para várias obras artísticas, televisivas e cinematográficas, como as telenovelas Terra Nostra e Esperança, e o filme O Quatrilho, que concorreu ao Oscar de melhor filme estrangeiro.

    Obrigado aos nossos antepassados por essas maravilhas que temos hoje no Brasil. Vem para a Artesanalli apreciar essa cultura Nostra!

Fashion Show de Florença
25.04.2016

A Itália não é feita só de massas, também tem muita moda e alta costura.

Esse indústria é importantíssimo para o país, podemos dizer com toda certeza que a alta moda italiana surgiu em Florença. Foi no ano de 1951, que o pioneiro da moda italiana, Giovanni Battista Giorgini na Villa Torrigiani organizou uma espécie de uma feira com muitos compradores internacionais que estiveram presentes e eles descobriram a elegância do Made in Italy, com preços muito mais competitivos do que de moda de Paris.

E por isso a cidade conta com uma grande Feira de moda, um Fashion Show, mas que é bem mais longo e setorizado que em outras cidades, pois acaba sendo uma enorme plataforma de eventos de moda da indústria italiana que incluem feiras do mercado infantil, feminino, masculino, tricô, fragrâncias, entre outros. 

Florença conta com designers como Gucci, Enrico Coveri, Roberto Cavalli, Salvatore Ferragamo, Patrizia Pepe, Emilio Pucci e muitos outros. Suas fábricas com base em Florença desenvolvem produtos que são famosos em todo o mundo. Caminhar na Via de ‘Tornabuoni e Via della Vigna Nuova, e em geral, no centro histórico de Florença, é sentir o verdadeiro Made in Italy.

Ela costuma acontecer entre Janeiro e Julho.

 

Tellaro
18.04.2016

Chamado de "Borgo entre os cem mais belas da Itália", Tellaro está localizado no extremo sudeste da Liguria oriental, muito perto da fronteira com a Toscana, destino turístico à beira-mar e de interesse histórico-artístico de cerca de 800 habitantes na os períodos de pico de verão pode chegar a 8000. 

Tellaro é uma vila país antiga e encantadora em Lerici. A estrada de Lerici parar em Tellaro e isso dá ao país uma grande sensação de paz e tranquilidade, bem como uma grande sensação de bem-estar para a falta de poluição. 

A vila é "provado" todos os anos desde a sua aparência varia, assim como o seu mar e as belas paisagens que podem ser admiradas a partir dele.

O nome Tellaro pode ter origens na palavra “tela” em função dos comerciantes de telas e tecidos, ou no latim “telus” para indicar o dardo, a flecha usada para a defesa, ou mesmo no etrusco ou paleo-lígure “tular”, o qual significa “limite do vilarejo”. Outros preferem a origem na forma dialetal “erse”, que quer dizer azinheira. Gostou de nosso passeio por Tellaro? Não deixe de visitar mais destinos em nosso Blog da Artesanalli!

 

Cidade Estrela
11.04.2016

A cidade de Palmanova fica localizada no Norte da Itália. Até aí, uma cidade como outra qualquer, a não ser pelo fato do arquiteto Vincenzo Scamozzi ter projetado ela no formato de uma estrela, praticamente perfeita.

Se você estiver de passagem pela Itália, vale a pena dar uma visitada em Palmanova.

Ela foi construída no final do século 16 pela República de Veneza, que era, na época, um importante centro comercial.

As razões pelas quais a cidade foi construída nessa forma, além da estética, são filosóficas, religiosas e militares. A cidade conta com apenas cerca de 5.300 habitantes. 

A data de fundação da cidade (07 de outubro de 1593) comemorou a vitória das forças europeias (fornecidas principalmente pelos Estados italiano e pelo Reino Espanhol) sobre os turcos otomanos na batalha de Lepanto, durante a Guerra do Chipre. 

Utilizando as mais recentes inovações militares do século 16, esta pequena cidade era uma fortaleza em forma de uma estrela de nove pontas.

Um fosso cercava a cidade, e três grandes portões guardados permitiam a entrada.

Em 1960, Palmanova foi declarada um monumento nacional. 

Uma cidade verdadeiramente espetacular foi criada!

Galleria Vittorio Emanuele II
04.04.2016

A Galleria Vittorio Emanuele II que acaba de comemorar seus 150 anos, une os dois dos mais importantes monumentos de Milão: o Duomo e o Teatro La Scala.

O Edifício foi desenhado pelo arquiteto Giuseppe Mengoni, que morreu tragicamente ao cair de um andaime, pouco antes da sua inauguração, em 1877. Fato este, que gerou histórias na época. Muitos afirmavam que, o arquiteto havia cometido suicídio devido às inúmeras críticas dos italianos à sua obra e também pela confirmação do não comparecimento do Rei Vittorio Emanuelle à inauguração da Galleria.

Porém, após ser inaugurada, a Galleria conquistou os milaneses e passou a ser conhecida como Il Saloto. Diversos encontros sociais  passaram a acontecer em seus tradicionais restaurantes e cafés.

Quando decidiram pela restauração da Galleria, detalhadas e demoradas pesquisas foram realizadas.

Foi necessário muito trabalho manual para restaurar suas cores originais.

Doze restauradores limparam e restauraram 14.000 metros quadrados em aproximadamente 13 meses.

O projeto de restauração da famosa Galeria Vittorio Emanuele II teve um investimento de 3 milhões de euros, financiados pela Prada, Versace e Feltrinelli. O município de Milão não arcou com custo algum, devido a um acordo realizado entre as partes, onde a Prefeitura concedeu às empresas financiadoras a aquisição de alguns espaços na Galeria.

No centro da Galleria, há um touro que, diz a lenda, se você colocar o seu calcanhar direito sobre os órgãos genitais do touro e virar-se três vezes, isso vai lhe trazer boa sorte, porém essa prática provoca danos ao mosaico de mármore.

 

Gnocchi da Fortuna
29.03.2016

O gnocchi, famoso prato italiano, há tempos tem data marcada para ser degustado, todo dia 29 de cada mês. Segundo uma lenda, comê-lo neste dia traz sorte e fortuna.
A lenda nasceu na Itália, já que o prato é italiano, por magia ou superstição, cada vez mais, nos dias 29 as pessoas vão em sua busca. Saboreando esse prato, acreditam ter sorte pelos próximos 30 dias. Alguns comem apenas sete nhoques, mastigando sete vezes cada um. Outros devoram tudo, pois julgam importante não haver sobra. A lenda mais conhecida conta que um andarilho, ao chegar a uma pequena cidade, bateu à porta de um casal de velhinhos no dia 29. Pediu um prato de comida e recebeu o alimento que tinham à mesa: GNOCCHI. Tempos depois, o andarilho retornou à casa para contar que após aquele dia passou a ter muita sorte e ganhou muito dinheiro.
Coloque a maior nota que você tem na carteira antes de come-los. Alguns dizem que o dinheiro deve ficar guardado embaixo do prato até o próximo dia 29. Já outros afirmam que a quantia deve ser doada para os necessitados ou novamente usada na próxima simpatia.
Assim no dia 29 de cada mês, deve-se colocar uma nota de dinheiro embaixo do prato de nhoque. Deve-se comer sete bolinhas do Gnocchi (alguns o fazem de pé) mentalizando um pedido. Guarde a nota do dinheiro até o dia 29 do mês seguinte. Depois saboreie com prazer o resto do Gnocchi do prato .
Muitas pessoas repetem essa tradição e dizem que o prato ajudou a concretizar projetos, arrumar companhias ou favorecer reconciliações, e além de tudo, o Gnocchi da Cantina é único, e te faz viajar em pensamento! Todos os dias 29 temos encontro marcados aqui, com o pensamento positivo!

 

Mântua é eleita capital Italiana da cultura de 2016
28.03.2016

A cidade de Mântua localizada no Norte da Itália foi eleita como a Capital Italiana da Cultura de 2016. A cidade é considerada o Berço do Renascimento e Patrimônio da Humanidade da Unesco e acabou ganhando o título após uma longa restauração da cidade.

Foi anunciado pelo ministro dos Bens Culturais e do Turismo do país, Dario Franceschini, em uma reunião nacional do Ministério que nunca esteve tão cheio de gente e expectativa.

Junto com o título também vem um prêmio de 1 milhão de Euros para realizar o projeto apresentado, segundo o júri responsável pela seleção, Marco Cammeli, o que destacou a cidade das outras concorrentes foi a experiência que o município teve na competição da capital européia da Cultura de 2019, porém quem acabou ganhando esse título foi a cidade de Matera, a região da Basilicata.

O prefeito da cidade disse que o que realmente importa não é apenas o dinheiro recebido, mas o reconhecimento da cidade, que é pequena mas tem uma vocação internacional e patrimônio extraordinário.

Ele também afirma que estão procurando abri-la para o mundo, fazendo investimentos na recuperação do patrimônio, em uma regeneração urbana e na confiança de uma cidade que deseja ser levantada em conta muito mais um país e na Europa.

O ministro completa que Mântua é uma cidade muito bela e com grandes tradições e que, de ano em ano, o reconhecimento será cada vez mais importante e também, certamente, irá crescer o número de concorrentes. 

O que você está achando de nossas matérias aqui no site da Artesanalli? Comente conosco!

Tarantella: A dança típica do Sul da Itália
18.03.2016

Sua origem talvez se referiria as tarantulas, por serem muito comum na região, devido o ritmo da música ser acelerado e ajudar na circulação sanguínea, evitando a morte quando picado por uma tarantula. Porém a versão mais plausível é Taranto, cidade da região de Puglia ao Sul da Itália.

A tarantella é uma dança popular e composição musical, em compasso binário composto (6/8), geralmente em modo menor, de caráter vivo, caracterizada pela troca rápida de casais. Dizem as lendas que não se deve dançar a Tarantella a sós, pois traz azar. É impossível resistir ao ritmo energético, vital, obsessivo e sem trégua dos acordes. As melodias sensuais provocam uma espécie de transe e o som dá asas aos impulsos mais profundos e incontroláveis. Forma-se um círculo dançante, executado no sentido horário até a música se tornar rápida, quando todos trocam de direção. O ciclo ocorre algumas vezes, eventualmente ficando tão rápido que é muito difícil manter o ritmo. Em geral é conduzida por um cantor central e acompanhada por castanholas e tamborim. 

Com o passar dos anos, esta dança tornou-se indispensável nas festas de súplicas e agradecimentos. É apresentada em pares, marcada por andamentos rápidos e exuberantes. 

Vemos muito demonstrações destas danças em filmes, mas tornou-se uma forma clichê de reprodução de festas italianas. 

Vocês já participou de uma Tarantella original? Conhece alguém que já participou? Algum relato de família? Já ouviu aqui na Artesanalli?

CASA DI GIULIETTA
14.03.2016

Apesar de Romeu e Julieta (em italiano, Giulietta) ser uma obra fictícia, muita gente jura que seus protagonistas de fato existiram. Há um santuário oficial na cidade de Verona, localizada no norte da Itália, resolveu abraçar seu posto como berço desse amor. Trata-se de um lindo casarão com jardim interno que, há um século, foi reformado para receber os devotos da saga do trágico casal.

A casa é aberta a visitação e os turistas podem, inclusive, subir até a sacada onde, supostamente, Romeu se declararou à Giulietta. No pátio da casa há a estátua de bronze da personagem, cujo seio direito, segundo reza a lenda, traz boa sorte no casamento a quem o toca. A varandinha do andar superior é o cenário perfeito para o romance de Shakespeare. No subsolo da casa existe uma tumba que se diz contém o corpo de Giulietta.

Outras superstições se espalham pelas paredes da entrada, é ali que são depositadas mensagens e cartas de amor coladas com chiclete ou escritas à mão no próprio muro. A prefeitura de Verona já tentou conter a tradição com multas e policiamento, a fim de preservar o patrimônio, mas não foi suficiente. Também foram postos painéis de papel para que os visitantes não escrevessem nas paredes, mas também não funcionou. Uma das ações recentes da prefeitura foi tentar incentivar fotos ao invés dos bilhetes com o lema:  “Mais selfies, menos escritos”.

No filme "Cartas para Giulietta" são citadas as secretárias de Giulietta, que realmente existem, elas respondem as cartas que são deixadas para Giulietta pedindo conselhos amorosos ou agradecendo pela sorte no amor. O que se conta é que a primeira carta chegou nos anos 1930, logo quando o filme de Cukor foi lançado. No destinatário, constava apenas: “Julieta, Verona e foi entregue na suposta tumba da personagem. Quando viu a carta, o coveiro, que era um veterano da Primeira Guerra Mundial e sabia um pouco de inglês, escreveu uma resposta, assim como para as novas correspondências que começaram a chegar. Com o passar do tempo, a tarefa de responder as cartas foi passada a um poeta local, mas logo descobriram sua identidade, e ele desistiu do cargo de secretário de Julieta. Foi só nos anos 1980, que a prefeitura de Verona passou a tarefa ao Club di Giuliett, um grupo que promove iniciativas da cidade associadas à peça de Shakespeare. 

Além das cartas que são deixadas na parede, a casa de Julieta também disponibiliza outros artifícios para os amantes que precisam de conselhos: uma caixa postal para onde as cartas podem ser enviadas, e terminais de computador dispostos em gabinetes metálicos que imitam antiguidades, de onde os visitantes podem enviar mensagens eletrônicas para Julieta. Mas, felizmente, a tradição ainda perdura em Verona: a maioria das correspondências recebidas pelas secretárias de Julieta são cartas escritas à mão. 

Lenda ou não, muitos ainda acreditam no poder do amor dos Montechio e Capuleto, assim, talvez por esse motivo ainda seja tão frequentada a Casa di Giulietta com muitos pedidos e conselhos amorosos.

Basílica de São Marcos
07.03.2016

A Basílica de São Marcos (em italiano: Basilica di San Marco) é a mais famosa das igrejas de Veneza, Itália, e um dos melhores exemplos da arquitetura bizantina. Localizada na Praça de São Marcos (em italiano: Piazza di San Marco), ao lado do Palácio dos Doges, a basílica é a sede da arquidiocese católica romana de Veneza desde 1807.

A primeira igreja construída no local foi um edifício temporário no Palácio dos Doges, construído em 828, quando mercadores venezianos adquiriram de Alexandria as supostas relíquias de São Marcos Evangelista. Em 832, um novo edifício foi erguido, no local da atual basílica; esta igreja foi incendiada durante uma rebelião em 976, reconstruída em 978 e, mais uma vez, em 1063, no que viria a ser a base do atual edifício.

A igreja apresenta uma planta em cruz grega, baseada nos exemplos de Basílica de Santa Sofia e da Basílica dos Apóstolos, ambas em Constantinopla. Possui um coro elevado acima de uma cripta. A planta do interior consiste em três naves longitudinais e três transversais. Um baldaquino cobre o altar principal, com colunas decoradas com relevos do século XI. O retábulo é a famosa Pala d´Oro - um trabalho em metal bizantino de 1105. Atrás do altar principal há um segundo altar com colunas de alabastro. Os cercados do coro, acima dos quais há três relevos de Sansovino, apresentam obra de marchetaria de Fra Sebastiano Schiavone. Os dois púlpitos de mármore da nave são decorados com estatuetas dos irmãos Massegne (1394).

A basílica foi consagrada em 1094, no mesmo ano em que o corpo de São Marcos foi supostamente reencontrado num pilar pelo Doge Vitale Falier. A cripta passou então a abrigar as relíquias até 1811. O edifício também possui uma torre baixa, que alguns pensam ter integrado o Palácio dos Doges original.

Embora a estrutura básica do edifício tenha sido pouco alterada, sua decoração mudou muito ao longo do tempo. Foi adornado ao longo do tempo, especialmente no século XIV, e era raro um navio veneziano voltar do oriente sem trazer uma coluna, capitéis ou frisos retirados de algum edifício antigo e destinados à igreja. Aos poucos, a alvenaria exterior de tijolos foi recoberta com mármores e outros elementos, alguns mais antigos que o próprio prédio. Uma nova fachada foi erguida e os domos foram cobertos com estruturas mais altas em madeira, de modo a tornar o conjunto mais harmônico com o novo estilo gótico do Palácio dos Doges.

Por dentro, as paredes foram recobertas com mosaicos, numa mistura dos estilos bizantino e gótico; o piso, do século XII, é uma mistura de mosaico e mármore em padrões geométricos e desenhos de animais. Os mosaicos contêm ouro, bronze e uma grande variedade de pedras.

Os Cavalos de São Marcos foram acrescentados à basílica em torno de 1254. São obra da Antiguidade Clássica; alguns creem que antes adornaram o Arco de Trajano. Foram enviados para Veneza em 1204 pelo Doge Enrico Dandolo, como parte do saque de Constantinopla na Quarta Cruzada. Foram retirados por Napoleão em 1797, mas devolvidos à basílica em 1815, onde permaneceram até os anos 1990. Encontram-se atualmente numa sala de exposições, havendo sido substituídos por réplicas em fibra de vidro.

 

Basílica de São Pedro
29.02.2016

Epicentro do catolicismo, sede do papado e lugar do túmulo de São Pedro, a igreja mais visitada de Roma, cuja atual versão foi iniciada no século 16, é simplesmente a maior do mundo. Construída sobre as fundações de uma antiga basílica do século 4, que por sua vez encontrava-se sobre as ruínas do Circo de Nero, a igreja supostamente encontra-se junto ao lugar onde o discípulo Pedro foi crucificado de ponta cabeça no ano de 64. Em 324 Constantino aqui ergueu o primeiro templo em homenagem sobre o primeiro dos papas, uma obra que ganho vulto durante os períodos da Renascença e Barroco.

No interior da Basílica de São Pedro estão algumas obras de arte fundamentais da Itália dos séculos 15, 16 e 17, um período que viu o ápice da criativade de mestres como Bernini e Michelangelo. Um dos pontos altos da visita, claro, é a Pietà, esculpida em mármore por Michelangelo Buonarroti (também autor do desenho do domo e das fantásticas pinturas do teto e altar da Capela Sistina, no vizinho Museus do Vaticano). O Baldacchino sobre o altar papal é uma impressionante alegoria às colunas do rei Salomão, projetado por Bernini sob ordens do papa Urbano VIII. É dele também o projeto das colunatas da Piazza San Pietro, a Praça de São Pedro, que abraça os fiéis aos domingos e durante celebrações especiais, como o Natal, Corpus Christi e cerimônias de canonização. É de lá que é possível ver o papa abençoar a multidão colorida, a partir da janela da biblioteca, bem no centro da monumental fachada. Ao centro da praça está um obelisco egípcio, numa provável demonstração de força do Cristianismo sobre antigas religiões.

Tudo dentro da Basílica de São Pedro é superlativo, do ornamento dos pisos às massivas colunas, das capelas laterais ao teto decorado. Somente a apse já seria o suficiente para abrigar mais fiéis que boa parte das igrejas da Cristandade, enquanto que a vista ao topo da cúpula, junto à lanterna, requer a escalada de 537 degraus. Para se chegar à cúpula, encontre o acesso à esquerda da entrada principal, além da Porta Santa. A entrada é paga, tanto para quem usa o elevador como para quem encara a subida a pé.

Curiosidade: a Reforma Protestante iniciada pelo padre Martinho Lutero, no século 16, foi deflagrada pela política papal de financiamento da reforma da basílica. Entre outras fontes, o papa vendia indulgências (perdões) a pecadores (alguns da pesada) que contribuíam com dinheiro. Contrário à esta prática, Lutero publicou suas famosas 95 Teses em 1517, que catalisou a cisão da igreja.

Destaques:

- O Altar Papal e o Baldacchino de Bernini, sob a abóbada
- A Pietà, do lado direito da nave, logo depois da entrada
- A Capela do Coro, do lado direito, adjacente à nave
- Vista do Domo (Cúpula)

Piazza del Campo
22.02.2016

A Piazza del Campo (ou Il Campo) é a principal praça da cidade de Siena. É reconhecível pela sua forma de D, sendo inclinada como um anfiteatro, estando na parte baixa o Palazzo Pubblico e a sua torre muito célebre, a Torre del Mangia com 102m.

Nesta praça decorre a mais conhecida festividade de Siena, a corrida chamada Palio de Siena.

A cidade de Siena sempre foi orgulhosa e poderosa, a ponto de rivalizar com Florença. Apesar das lutas de fações entre guelfos (partidários do papa) e gibelinos (partidários do imperador) e os conflitos com os seus vizinhos (1260), o município de Siena desenvolveu um cuidado constante para embelezar a cidade.

Na Itália, onde todas as cidades mostravam o seu poder ao orquestrar um ambiente urbano altamente politizado, Siena construiu a Piazza del Campo como um verdadeiro emblema. Desde 1218, oficiais delegados procuraram pela cidade um espaço para o futuro campo. Somas consideráveis foram atribuídas a este projeto: libera para dar espaço para esta praça, as autoridades decidiram reunir dois campi: o Campo San Paolo e o Campo del Fiori.

Compraram os jardins e casas, construíram um muro alto para proteger o lugar da água que invade regularmente no outono e inverno. Ao mesmo tempo, o comércio é reorganizado: comerciantes de vinho, talhantes, lavradores e mercados devem mover-se para ficar junto das portas do recinto amuralhado. O trabalho, no entanto, demorou devido ao atraso pelas expropriações realizadas (escadas, varandas e terreno espaço público subsistiram no espaço durante mais de 50 anos, esgotos e lixos eram regularmente lá deixados).

Esta praça magnífica foi o orgulho de Siena, que, desde 1250, usa custodes (guardas de museus e monumentos) para observar o campo. Dezanove artigos de regulamentos urbanos de 1262 precisam as condutas e regras para a praça (para proibir vagabundagem, prostituição, cavalgadas, armas e a aleitação de bebés).

Costa Amalfitana
15.02.2016

Ao sul de Nápoles, mais ou menos na canela da graciosa bota que é o mapa da Itália, esse paraíso do Mar Tirreno atrai famosos, milionários ou simplesmente entusiastas de um litoral maravilhoso. A costa de 50 quilômetros é um verdadeiro showroom de exuberância natural, com mar azulzíssimo, vistas espetaculares, estradinhas com vilarejos incríveis, luxo, glamour – e, evidentemente, preços salgados e praias cheias (sobretudo no verão). A Costa Amalfitana delimita-se ao norte por Vietri Sul Mare, um pouquinho acima de Salerno, e ao sul pela Península de Sorrento. Os points recomendáveis são vários: em Amalfi, principal cidade da região e uma das com melhor infraestrutura turística, existe uma impressionante catedral do século 9, erguida sob a influência de estilos diferentes como bizantino, barroco e árabe-normando. Positano faz o visitante esfregar os olhos diante de suas casinhas, posicionadas no morro íngreme, deslumbrantes quando iluminadas à noite, e fica pertinho da Grotta dello Smeraldo, uma espetacular caverna com águas entre o verde e o azul-turquesa. Já as vistas de Ravello, sede de importante festival de música (www.ravellofestival.com), são páreo para as ilhas gregas. A vista a partir de Villa Rufolo, sobre dramáticos penhascos, é belíssima. E as praias como as das cidadezinhas Maiori e Minori são imperdíveis.

Fórum Romano
01.02.2016

O Fórum Romano localizado no centro de Roma, é um fórum (praça) rectangular, circundado pelas ruínas de várias construções públicas de grande importância cultural. O principal centro comercial da Roma Imperial, este espaço era popularmente conhecido como Fórum Magno (Forum Magnum) ou, simplesmente, Fórum.

Foi durante séculos o centro da vida pública romana: o local de cerimónias triunfais e de eleições, o local onde se realizavam discursos públicos, os processos criminais, os confrontos entre gladiadores, e o centro dos assuntos comerciais. Aqui, estátuas e monumentos celebraram os grandes homens da cidade. O coração da Roma antiga, foi considerado o ponto de encontro mais conhecido do mundo, em toda a história.[1] Localizado no pequeno vale entre o monte Palatino e o monte Capitolino, o fórum é atualmente uma extensa ruína de fragmentos arquitectónicos e um sitio de escavações arqueológicas intermitente de elevada atração turística.

A maioria das estruturas arquitectónicas mais importantes da antiga cidade foram encontradas no fórum ou perto deste. Os santuários e templos do reino romano localizavam-se na parte sudeste da cidade. Dentre estes situava-se a antiga residência real, a Régia (século VIII a.C.), o Templo de Vesta (século VII a.C.) e ainda o complexo da Casa das Vestais, os quais foram reconstruídos após a ascensão de Roma Imperial.

Outros santuários foram encontrados a noroeste, como a Umbilicus Urbis e o Vulcanal (santuário de Vulcano), construídos no centro nervoso do vale, o Comício, durante o período republicano. Este foi o local onde tanto o senado como o governo republicano tiveram início. O Senado, os gabinetes do estado, tribunais, templos, monumentos e estátuas foram gradualmente arquitectando toda a área.

Ao longo do tempo, o Comício arcaico foi comutado pelo maior fórum a ele adjacente e o centro de actividade judicial movido para a nova Basílica Júlia, juntamente com a recente Cúria Júlia, concentrando os dois cargos judiciais e o Senado num só local. Este novo fórum, serviu posteriormente como uma praça revitalizada, onde o povo de Roma poderia ai reunir-se para fins comerciais, políticos, judiciais e persecuções religiosas em números cada vez maiores.

A maioria dos tratos económicos e judiciais eram diferidos para locais distantes do Fórum Romano, envolvendo as maiores e mais extravagantes estruturas como o Fórum de Trajano e a Basílica Úlpia ao norte. O reinado de Constantino, O Grande, durante o qual o império foi dividido em duas fracções, a oriental e a ocidental, presenciou a construção da última grande amplificação da praça - a Basílica de Magêncio em 312 d.C. Este facto devolveu o centro político novamente para o fórum, até à queda do Império Romano do Ocidente quase dois séculos mais tarde.

Vaticano
25.01.2016

O Vaticano ou Cidade do Vaticano, oficialmente Estado da Cidade do Vaticano, é a sede da Igreja Católica e uma cidade-Estado soberana sem costa marítima cujo território consiste de um enclave murado dentro da cidade de Roma, capital da Itália.

O acesso mais conhecido à Cidade do Vaticano, o menor Estado independente do mundo, é pela Praça de São Pedro, cercada pelas colunas dispostas em elipse e encimadas por cerca de 140 santos. À frente está a fachada da Basílica de São Pedro, o Cirso de Nero, onde São Pedro foi crucificado. Em 324, o imperador Constantino ordenou que nesse lugar fosse erguida uma basílica em honra ao santo. A estrutura atual data dos séculos XVI e XVII e contém esculturas magníficas, a cúpula projetada por Michelangelo, como sua Pietà, além de muitas outras atrações que atendem plenamente às expectativas que o local desperta. Ao norte da praça, os museus do Vaticano abrigam uma das maiores coleções de arte do mundo, com peças que datam da Antiguidade à Renascença, incluindo as stanze de Rafael (várias salas contendo muitas das obras primas do artista), distribuídas por um labirinto de palácios e galerias.

Lucca, cidade murada na Toscana
18.01.2016

Cuidadosamente envolvida por uma muralha de 4 quilômetros de extensão e 12 metros de altura que, de tão bem cuidada, em nada aparenta seus mais de 400 anos, Lucca é uma joia toscana. A vista que se tem passeando pela fortificação, de onde se enxergam cidades vizinhas, já valeria o passeio, mas os atrativos também estão em seu interior. A começar pela Piazza Anfiteatro, um adorável espaço oval delimitado por casarões, e seguindo pelos bares, restaurantes, praças e mercados. Visite também a Cattredale di San Martino, do século 11, e a Torre Guinigi, de cujo topo dá para admirar as montanhas dos Alpes Apuanos.

Giacomo Puccini, o compositor de ópera autor de Madame Butterfly e Tosca, nasceu em Lucca. Sua casa pode ser visitada e fica pertinho da igreja San Michele in Foro, cuja fachada apresenta dezenas de colunas, uma diferente da outra.

Nas paradas de ônibus da Piazzale Verdi chegam ônibus diariamente de Florença (uma hora e meia de viagem) e Pisa (45 minutos). Lucca é ligada a essas duas cidades também por ferrovia, e os trens são frequentes. Da estação ao centro histórico amuralhado é apenas uma curta caminhada. Para quem está de carro, a estrada liga Lucca a Pisa e Florença é a A-11.

 

Curiosidades sobre a Italia
11.01.2016

A Itália é o 18º países mais desenvolvido do mundo e o 8º no índice mundial de qualidade de vida.

A palavra Itália vem do latim “Italia”, que se originou de uma fonte não latina. É provável que a etimologia do nome “Itália” esteja relacionada ao grego antigo “italos” (touro), do proto-indo-europeu “wet”. Os bovinos sempre tiveram grande importância para os povos da antiga Península Itálica.

A região da atual Itália foi habitada por diversos povos: celtas, lígures, vênetos, sardos, etruscos, gregos, latinos etc. A mais importante cultura foi a romana (latinos), seguida da estrusca e da grega.

Havia diversas colônias gregas ao Sul da atual Itália. Os gregos chamavam a região de Magna Grécia.

Antes de adotar o Euro como moeda, o país usava a Lira italiana.

A língua oficial é o italiano, falado por quase toda a população. Existem diversos dialetos regionais como o vêneto, o napolitano e o sardo. Há também falantes de francês, alemão e esloveno.

Além de Capital, Roma é a cidade mais populosa da Itália. É também a 3a da União Européia que mais recebe turistas.

A segunda cidade italiana mais populosa é Milão. A região metropolina de Milão, no entanto, é a que possui a mais alta densidade populacional. Apesar de Milão ter “apenas” 1,3 milhão de habitantes, a Grande Milão possui 2,7 milhões.

A maior parte da população (diga-se 87%) segue o catolicismo. Outros grupos religiosos: cristão ortodoxos, gregos ortodoxos e protestantes.

A Itália é dividida em 20 regiões: Abruzzo, Basilicata, Calabria, Campânia, Emília-Romanha, Friuli-Venezia, Lácio, Ligúria, Lombardia, Marche, Molise, Piemonte, Apúlia, Sardenha, Vale de Aosta, Toscana, Trentino-Alto Ádige, Úmbria, Sicília e Vêneto.

As regiões mais populosas: Lombardia (região de Milão), Campânia (onde fica Nápoles), Lácio (da Capital Roma), Sicília (Palermo), Emília-Romanha (Bolonha) e Toscana (Florença).

Milão é uma das maiores produtoras de moda de alto luxo. A cidade é sede de grifes como Valentino, Gucci, Versace, Prada, Armani e Dolce & Gabbana. A Semana de Moda de Milão é uma das mais prestigiadas do mundo.

Natal na Itália
21.12.2015

Os italianos jejuam no dia anterior ao Natal. À noite, a família reúne-se à volta do presépio, orando, enquanto a mãe coloca o Bambino (Menino Jesus) na manjedoura. Segue-se a entrega de presentes, previamente colocados num grande pote apelidado a Urna do Destino.

Na Itália, o dia de Natal é quase exclusivamente dedicado às cerimônias religiosas. Muitas das ofertas são entregues na véspera da Epifania (6 de janeiro). Nessa altura, e de acordo com uma lenda, La Befana, uma espécie de feiticeira velha, vem pela chaminé abaixo com as prendas.

uma das mãos traz uma campainha para anunciar a sua chegada e na outra uma vara ou um pedaço de carvão para bater nas crianças desobedientes.

As Ceias de Natal também variam conforme se muda de região. Em Milão, costuma-se servir um bolo chamado panettone, feito de fruta cristalizada.

Na região do vale do Pó, a comida mais popular são os tortellini, massa recheada de carne. No Sul do País, o prato tradicional da noite de Natal é a enguia.

Por que a Torre de Pisa é inclinada?
14.12.2015

Por ter sido construída sobre um terreno de argila e areia, materiais pouco firmes para sustentar uma edificação daquele porte. Projetada para abrigar o sino da catedral de Pisa, no norte da Itália, a torre foi iniciada em 1173: seus três primeiros andares mal tinham acabado de ser erguidos quando foi notada uma ligeira inclinação, devido ao afundamento do terreno e ao assentamento irregular das fundações.

O engenheiro encarregado do projeto, Bonnano Pisano, tentou compensar a inclinação construindo os demais cinco andares ligeiramente mais altos do lado em que a estrutura pendia para baixo - mas o excesso de peso só fez a torre afundar ainda mais!

A construção só terminou na segunda metade do século XIV e, ao longo dos séculos, foram feitas várias tentativas de aprumar a estrutura de oito andares, mas de nada adiantaram. No século XX, a torre passou a se inclinar cerca de 1,2 milímetro por ano. Quando essa pendência em relação ao eixo chegou a 4,5 metros, em 1990, ela foi fechada ao público, sob risco de desmoronar. Desde então, várias propostas foram feitas para salvar a torre, até que uma delas, formulada por uma comissão de 14 especialistas, foi finalmente escolhida. Os trabalhos começaram em 1997. "A proposta vencedora era simples e, ao mesmo tempo, extremamente eficaz: tirar, aos poucos, terra do lado inclinado e reforçar a fundação com placas de chumbo para evitar qualquer perigo de desmoronamento enquanto o trabalho era realizado", diz o engenheiro civil Henrique Lindenberg, da USP. Além disso, foi injetado cimento nos muros que circundam a torre.

A obra consumiu 25 milhões de dólares e só terminou em junho de 2001, reduzindo em 40 centímetros a inclinação da torre, que foi reaberta ao público em 15 de dezembro do mesmo ano.

Palatino
07.12.2015

O monte Palatino é uma das sete colinas de Roma. Tem 70 metros de altura e nas suas encostas foram construídos, de um lado, o Fórum Romano, e do outro, o Circo Máximo. O local é hoje um grande museu ao ar livre, visitado durante o dia. A bilheteira, hoje, depois da restauração do Palácio Augustano, localiza-se depois do Arco de Constantino, seguindo em direção ao Circo Máximo. A saída localiza-se próximo do Arco de Tito ou junto à Prisão Mamertina, próximo ao Capitólio. Pode-se comprar um bilhete (12,00 Euros) que dá direito a visitar o Palatino, o Fórum Romano e o Coliseu.

O nome deriva de Pales, o deus dos pastores. Segundo a lenda da fundação de Roma, sobre o Palatino foi edificada a cidade quadrada de Rómulo. Já sítio habitado na idade do Ferro (como provam vestígios arqueológicos) acolhe também as ruínas mais antigas de Roma, como restos de muralha (séculos VI–IV a.C.) e uma cisterna.

No século III a.C. foram construídos os templos de Júpiter, de Vitória e da Magna Mater (Deusa-mãe, a Grande Mãe), enquanto que no último período republicano foram construídas muitas habitações patrícias.

É nesta colina que se encontravam outrora, agora em ruínas, os palácios de Augusto, Tibério e Domiciano. O termo palácio provém de Palatium.

Lago de Como
30.11.2015

O lago de Como proporciona uma das vistas mais bonitas da Lombardia. O cenário é absolutamente deslumbrante: um lago cristalino com muitos tons de azul, rodeado por montanhas e florestas, que abriga dezenas de cidadezinhas, vilas históricas, igrejas centenárias, castelos medievais e casas coloridas. Sem falar na beleza das flores e na infinidade de cores, é indescritível.

O lago de Como é o terceiro maior lago da Itália, depois do lago de Garda e do lago Maggiore. Trata-se de um lago glacial, ou seja, é formado pelas depressões das geleiras derretidas. É um dos lagos mais profundos da Europa, perto de Argegno atinge os 414 metros de profundidade.

 

Piazza Navona
23.11.2015

A Praça Navona é uma das mais célebres praças de Roma localizada no rione Parione. A sua forma assemelha-se à dos antigos estádios da Roma Antiga, seguindo a planificação do Estádio de Domiciano. Albergaria até 20 mil espectadores sentados nas bancadas. A origem do nome deve-se ao nome pomposo que lhe foi dado ao tempo do imperador Domiciano (81-96 d.C.): "Circo Agonístico" (do étimo grego Agonia, que significa precisamente - exercício, luta, combate). Actualmente o nome corresponde à corruptela da forma posterior in agone, depois nagone e finalmente navone, que por mero acaso significa também "grande navio" na língua italiana.

As casas que entretanto e com o passar dos anos foram sendo construídas sobre as bancadas, delimitariam e circunscreveriam até à actualidade o tão afamado Circo Agonístico.

A Navona passou de fato a caracterizar-se como praça nos últimos anos do século XV, quando o mercado da cidade foi transferido do Capitólio para aí. Foi remodelada para um estilo monumental por vontade do papa Inocêncio X, da família Pamphili e é motivo de orgulho da cidade de Roma durante o período barroco.

Sofreu intervenções de Gian Lorenzo Bernini (a famosa Fontana dei Quattro Fiumi,1651) ao centro); de Francesco Borromini e Girolamo Gainaldi (a igreja de Sant'Agnese in Agone); e de Pietro de Cortona, que pintou a galeria no Palácio Pamphilj, sede da embaixada do Brasil na Itália desde 1920.

O mercado tradicional voltou a ser transferido em 1869 para o Campo de' Fiori, embora a praça mantenha também um papel fundamental em servir de palco para espectáculos de teatro e corridas de cavalos. A partir de 1652, em todos os sábados e domingos de agosto, a praça tornava-se num lago para celebrar a própria família Pamphili.

A praça dispõe ainda duas outras fontes esculpidas por Giacomo della Porta - a Fontana di Nettuno (1574), na área norte da praça, e a Fontana del Moro (1576), na área sul.

Na extremidade norte da praça, por debaixo dos edifícios, foram postas a descoberto ruínas antiquíssimas, a uma cota muito abaixo da actual, comprovando a primeva utilização daquele imenso terreiro.

Grande Canal de Veneza
16.11.2015

O Grande Canal é a principal via de circulação da cidade. Os barcos cruzam uns com os outros a todo instante. Corta a maior parte da cidade, passando por vários distritos. Começa na Piazzare Roma e vai em zigue-zague até a Basílica Santa Maria della Salute, próximo à Praça São Marcos. Possui 4 km de extensão, entre 30 e 40 metros de largura e uma profundidade média de cinco metros.

Passear pelo Grande Canal é um dos programas imperdíveis de Veneza, pois ele é totalmente cercado de belos palácios medievais. Esse programa deve ser feito de dia e à noite, quando a iluminação dos palácios criam uma atmosfera especial.

As pontes sobre o Grande Canal são um espetáculo a parte. São quatro pontes que permitem a passagem entre os dois lados de Veneza: A Ponte da Academia, a Ponte de Rialto (a mais famosa e bonita), a Ponte dos Descalços e a Ponte Constituição (a mais nova), projetada pelo arquiteto espanhol Santiago Calatrava.

Outra maneira de circular pelo Grande Canal é de gôndola, a embarcação que é a cara de Veneza. É caro, mas os turistas adoram, os preços podem variar de 80 a 100 Euros. À noite é mais caro. No passado, antes dos barcos a motor, era a embarcação mais utilizada para o transporte de pessoas e cargas através dos canais.

Hoje virou símbolo de romantismo. Existem cerca de 400 gondoleiros em Veneza. Passeando com os turistas eles costumam cantar trechos de operas para diversão dos casais.

 

Santa Maria del Fiore
09.11.2015

A Catedral de Santa Maria del Fiore é o "Duomo" de Florença, Itália, e está localizada na praça homônima.

Era já em 1971 a quinta igreja da Europa em grandeza, depois da Basílica de São Pedro, da Catedral de São Paulo, da Catedral de Sevilha e da Catedral de Milão. Possui 153 metros de comprimento e 90 metros de largura no transepto, enquanto o tambor da cúpula possui 54 metros.

A construção iniciou-se em 1296 com projeto de Arnolfo di Cambio sobre as fundações da antiga Catedral de Santa Reparada. Após a morte de Arnolfo, passou pela supervisão de Giotto di Bondone, depois por Francesco Talenti e teve sua cúpula construída por Filippo Brunelleschi. Ao fim das obras da cúpula em 1436, a catedral foi consagrada pelo papa Eugênio IV.

É a catedral da arquidiocese de Florença e pode acomodar até trinta mil pessoas.

Arco de Constantino
02.11.2015

Os Arcos do Triunfo foram uma espécie de monumento introduzida pelos romanos. Cada arco simboliza a vitória numa batalha, durante o reinado de um imperador, constituindo-se assim como memória dessa batalha e desse imperador, embora muitos desses arcos já tivessem desaparecido.
O estilo Neoclássico usou-os como modelos em novos monumentos, mas noutros contextos que não o original.
Em Roma, há três Arcos do Triunfo que convém conhecer: o Arco de Constantino; o Arco de Tito; e o Arco de Septímio Severo.

O Arco de Constantino situa-se na cidade de Roma, a pouca distância do Coliseu. Foi construído em estilo corintiano, em homenagem à vitória de Constantino sobre Massêncio, na batalha de Ponte Mílvia, em 312 d. C., batalha que terminou vinte anos de confrontos e unificou o poder de Roma.
É interessante notar que nos elementos decorativos são poucos os que recordam Constantino. Há, sim, relevos que mostram o Imperador Marco Aurélio e ornamentos que comemoram a Vitória de Trajano sobre os Dácios. Tal sucede porque os artistas desta época aproveitavam ornamentos e estátuas de outros monumentos antigos.
O Arco de Constantino está decorado nas frentes Norte e Sul. Tem cinco medalhões com o diâmetro de dois metros e estátuas de oito prisioneiros da Dácia que foram retiradas do Forum Trajano.

 

Coliseu
26.10.2015

A enorme construção abrigava até 50.000 pessoas e começou a ser erguida em 72d.C e só foi inaugurada em 80d.C. A grande arena apresentava grandes combates, entre homens, entre animais e até mesmo entre embarcações. uma vez que a arena podia ser inundada. Séculos de abandono e saques transformaram-no numa casca, basicamente sem piso nem assentos. No entanto, ainda assim é uma casca e tanto, com três fileiras de colunas, dóricas, jônicas e coríntias. Projetos de restauração arrastam-se eternamente.

Pantheon
19.10.2015

Templo dedicado a todos os deuses romanos, que mais tarde se tornou uma igreja católica, hoje se encontram enterradas diversas personalidades ilustres como os pintores Raffaello e Annibale Caracci, os reis Vittorio Emanuele II e Umberto I e a rainha Margherita.

Sua planta é circular com um pórtico de grandes colunas coríntias de granito (oito na primeira fila e dois grupos de quatro na segunda) suportando um frontão. Um vestíbulo retangular liga o pórtico à rotunda, que está coberta por uma enorme cúpula de caixotões de concreto encimada por uma abertura central (óculo) descoberta. Quase dois mil anos depois de ter sido construído, esta cúpula é ainda hoje a maior cúpula de concreto não reforçado do mundo . A altura até o óculo e o diâmetro da circunferência interior são idênticos, 43.3 metros.

É uma das mais bem preservadas estruturas romanas antigas e permaneceu em uso por toda a sua história. Localizado na Piazza della Rotonda, o Panteão tem sido utilizado como uma igreja, dedicada à "Santa Maria e os Mártires" chamada oficialmente de Santa Maria dei Martiri (em latim: Sancta Maria ad Martyres) e informalmente de Santa Maria Rotonda desde o século VII . É uma basílica menor da Igreja Católica e foi uma diaconia até 1929.

Castelo Sant’ Angelo
12.10.2015

Conhecido também como Mausoléu de Adriano, o castelo já foi usado como edifício militar na época do Império Romano, como fortaleza dos papas na era medieval, e como prisão durante os movimentos para unificação da Itália.

Diz a lenda que o nome do Castelo de Santo Ângelo seria uma referência ao arcanjo São Miguel e teria como protagonista a Roma do VII século e  Gregório I, que foi Papa entre 590 e 604. Naquela época a cidade vivia um período de anarquia e carestia, onde poucos cidadãos comandavam aquela que tinha sido a capital do mundo; e para complicar ainda mais a situação a população estava sendo dizimada pela peste. Para invocar a misericórdia divina, o papa Gregório organiza uma procissão de três dias com toda a população da cidade. Após passar por mortos e doentes, na altura do mausoléu de Adriano, os romanos notam no céu violeta a figura luminosa de um anjo com uma espada nas mãos. É dia 29 de agosto de 590. A partir daquela noite a peste desaparece e o mausoléu de Adriano ganha o nome de Castelo do Anjo

Fontana di Trevi
05.10.2015

A Fontana di Trevi (Fonte dos Trevos) deve seu nome ao fato de no passado ter sido o cruzamento de três estradas e também o ponto final do Aqueduto de Vergine. Seu projeto foi feito por Nicola Salvi que morreu durante sua execução e foi terminado por Giuseppe Pannini. A estátua central é a de Neptuno que tem ao seu lado dois Tritões, um dominando cavalo-marinho rebelde e dominando um cavalo-marinho mais manso, ambos representando o contraste das marés. A fonte está cheia de moedas pois diz a lenda que quem joga moedas na água da fonte tem seus desejos atendidos.

 

a paixão dos italianos por carros
29.09.2015

Modena, Itália 

Modena é  uma cidade tranquila e bela, próxima das belas montanhas dos Apeninos. Está localizada na região de Emilia Romagna, a apenas 140 km de distância de Florença e a 60 km de Bologna. É a cidade natal do tenor Luciano Pavarotti e do responsável pela máquina que atrai grandes paixões masculinas, Enzo Ferrari. Há inclusive um museu da Ferrari na casa onde Enzo nasceu (museocasaenzoferrari.it). Além dos motores e da música, Modena é conhecida pela boa mesa (o Osteria Francescana está entre os primeiros melhores restaurantes do mundo de 2013)  e pela produção dos inigualáveis acetos balsamicos. Sua Catedral (Duomo di Modena), aTorre Civica (Torre della Ghirlandina ) e Piazza Grande são consideradas Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCOVale a pena pegar um bom guia local (ou boas dicas pela blogosfera) e mergulhar nas belezas de Modena. Siga a publicação e saiba mais desse lugar encantador e da paixão dos italianos por carros.

Fiera di Primiero
21.09.2015

Fiera di Primiero fica a somente 16km de Lamon, mas já fica na província vizinha, a província de Trento.

O caminho entre Lamon e Fiera di Primiero já é algo que merece ser visto. Com seus túneis cortando as montanhas, e seu lago da represa de geração de energia, é um belo caminho.

Fiera di Primiero é a menor cidade em área territorial de toda a Itália, o que a torna ideal para um passeio a pé. Possui o tipo de arquitetura clássico de cidades de montanha.

Belluno
14.09.2015

A capital da província de mesmo nome, Belluno é uma bela cidade encravada em meio à montanhas. Belluno foi considerada a Cidade Alpina do Ano de 1999.

Como Belluno é servida por uma boa auto-estrada à partir de Veneza, ela torna-se uma ótima opção para iniciar sua incursão pelos Alpes na parte das Montanhas Dolomitas.

Os trajetos entre todas estas cidades são fáceis, com ótimas estradas e, em alguns casos, auto-estradas. As distâncias também são bastante pequenas. Em alguns casos bastam alguns minutos para você se deslocar entre uma cidade e outra. Em muitos casos em 1 hora você percorre o trajeto entre duas delas. A maior distância seria entre Bolzano e Bellagio, com aproximadamente 350km. Mas como entre estas duas cidades existem outras que você pode visitar, dificilmente você fará o trajeto inteiro sem paradas.

 

Bellagio
07.09.2015

Se você gosta de belas cidades italianas à beira de lagos e montanhas, então Bellagio deve passar a fazer parte do seu roteiro. Bellagio está localizado no fundo do vale, às margens do Lago di Como.

Bellagio dá inclusive nome à um hotel em Las Vegas.

Bellagio entrou em nosso roteiro como um caminho com menos auto-estradas e mais belezas naturais em nosso deslocamento entre Verona e Luzerna, na Suíça. Para este trajeto, programamos chegar ainda de manhã em Bellagio, almoçar alí, e seguir depois com a balsa que atravessa o Lago di Como até sua margem Oeste, na cidade de Menaggio, de lá até a fronteira com a Suíça são apenas mais 21km.

Bassano del Grappa
31.08.2015

Uma belíssima cidade velha, ainda com os muros preservados, pode ser vista em Bassano del Grappa.

Um dos grandes destaques de Bassano del Grappa é a Ponte degli Alpini, que foi projetada pelo arquiteto Andrea Palladio in 1569, tendo sido destruída e reconstruída diversas vezes, a última delas foi na segunda guerra mundial.

Bassano é também a cidade natal de Renzo Rosso, o fundador da marca de roupas Diesel.

A cidade é conhecida também por ter sido criada lá a bebida Grappa, feita com o bagaço da uva, de certa forma um sub-produto da produção vinícola.

Bolzano
17.08.2015

O encontro de dois idiomas e culturas pode ser visto com muita clareza em Bolzano (em italiano), ou Bozen (em alemão). Você pode se comunicar em praticamente em qualquer lugar desta cidade escolhendo um destes dois idiomas. A cidade é bilíngue, mas há ainda um terceiro idioma falado por aquela área, a língua Ladina.

Isso nos surpreendeu bastante quando estivemos pela primeira vez na cidade, e, os atendentes das lojas, praticamente sempre faziam o cumprimento inicial nos dois idiomas: “Guten Morgen”, seguido de “Buongiorno”.

Bolzano possui uma extensa área com lojas que possuem calçadas cobertas, sob arcos, muito bonita, chamada Via dei Portici. As lojas, quando vistas de fora, parecem pequenas, mas ao entrar estas possuem pisos subterrâneos, até 3 em alguns casos.

Bolzano disputa com Bologna anualmente o posto de cidade com melhor qualidade de vida entre as cidades italianas.

A Catedral de Bolzano, uma igreja gótica do século 16 é uma grande atração da cidade.

Cortina d’Ampezzo
10.08.2015

Cortina d’Ampezzo é um Resort de ski altamente badalado no inverno, mas que também é uma linda cidadezinha de montanha no verão, quando Cortina d’Ampezzo também é muito procurada por pessoas interessadas em esportes de verão, como trecking, bike, entre outros.

Cortina possui diversos hotéis e restaurantes de ótima qualidade. A cidade possui um visual incrível, rodeada pelas belas montanhas Dolomitas.

Cortina também possui aqueles tradicionais corredores de arcos, onde você pode caminhar observando as lojas e cafés enquanto protegido de sol, chuva ou até mesmo da neve.

Como Cortina d’Ampezzo é pequena mas nem tanto, o ideal é hospedar-se aqui, para aproveitá-la melhor e utilizá-la como base de exploração para suas cidades próximas, como as várias Cadore (Cibiana di Cadore, Ospitale di Cadore, Perarolo di Cadore,Pieve di Cadore, Vodo di Cadore, …), à Sudeste de Cortina, e Passo Cimabanche, Tre Cime di Lavaredo, Dobbiaco, Brunico, ao Norte.

 

Marostica
03.08.2015

Em Marostica, o muro medieval que separava a cidade em si do seu exterior está 100% conservado, e ele é bem visível para qualquer visitante.

Você pode estacionar perto do portão que dá acesso à cidade antiga. Já logo ao estacionar você vê a grandiosidade da muralha, que, na parte onde você estaciona, está no mesmo nível que você, mas que, ao longo do perímetro da cidade, sobe a montanha que está por trás de Marostica. Um visual incrível.

Há várias trilhas em que você pode passear por dentro dos muros e subindo a montanha, todas claramente demarcadas por placas indicativas.

Na praça central de Marostica ocorre um famoso evento em que um jogo de xadrez, onde as peças do tabuleiro são pessoas trajadas, ocorre à cada dois anos.

Nos corredores cobertos que ladeiam a praça central, com suas fachadas em arcos, encontram-se deliciosos cafés e lojas.

Marostica é uma ótima cidade pequena para ser visitada e aproveitada sem pressa, caminhadas por seus corredores cobertos ou até mesmo suas trilhas é algo bastante agradável de se fazer.

Itália - região norte - Emilia - Romana
29.07.2015

Com extraordinário patrimônio histórico, artístico e cultural é uma das regiões mais prósperas da Itália.  A Emilia-Romana é conhecida pela obras de arte, universidades antigas e famosas, de modernos centros de formação artística e cultural. Em Bolonha, sede da mais antiga da Universidade italiana (séc. XI), são realmente inúmeros os monumentos de grande nível artístico. Como as espetaculares Torres dos Asinelli e da Garisenda, ambas pendentes,  a Piazza Maggiore, com os seus grandes edifícios medievais, e o gótico Duomo di S. Petronio, onde Carlos V foi coroado imperador, em 1530.Fora de Bolonha, são imperdíveis as obras-primas bizantinas de Ravenna, o Batistério medieval de Benedetto Antelami em Parma, o Templo malatestiano de Rimini, a igreja românica de S.Mercuriale em Forlì, o velho Palazzo comunale de Piacenza, o Santuário da Madonna della Ghiara, do séc. XVII, em Reggio Emilia, a esplêndida Galleria Estense de Modena, cidade onde se fabricam as jóias da Ferrari. O harmonioso e intacto centro histórico de Ferrara. E bom apetite.Mas o que isso tem a ver? Entre num restaurante da Emilia-Romana, hum.... Fazem parte da Emília-Romana as províncias: Bolonha, Ravenna, Ferrara, Forli-Cesena, Modena, Parma, Piacenza, Reggio Nell´emilia, Rimini.

Lamon, região do Vêneto, Província de Beluno (Região Norte da Itália)
20.07.2015

Lamon, na província de Belluno, é uma agradável vila de montanha.

Lamon tem a característica de não ser passagem pra lugar nenhum,  ela possui 3 saídas / acessos. Um para Feltre, no Veneto , um para Castello Tesino, e um para Fiera di Primiero, estas duas localidades se encontram na província de Trento. Mas ninguém precisa passar por Lamon para ir a algum destes lugares. O que confere à Lamon um interessante ar de isolamento.

Um dos centros focais de Lamon é o imponente Monte Coppolo, com seus 2069m acima do nível do mar. Você pode subir até o topo do Monte Coppolo por trilhas sinalizadas, inclusive com bancos para descansar à cada tantos metros, ao chegar ao topo, você pode desfrutar de uma incrível vista de 360 graus, tanto da província de Belluno, Vêneto, para um lado, quanto para a província de Trento, no Trentino – Alto Adige para o outro lado.

A culinária de Lamon é também algo a ser explorado, seu já mencionado isolamento torna sua culinária bastante particular e diversa. Um dos produtos locais, o Feijão de Lamon (Il fagiolo di Lamon) é bastante explorado tanto em Lamon como na região. O sucesso do Feijão de Lamon é tanto que ele até mesmo possui uma festa própria, a Festa del Fagiolo, onde se pode provar os mais diversos pratos onde o ingrediente em destaque é o Feijão de Lamon.

As Regiões da Italia
13.07.2015

São  20  as regiões da Itália, sendo que duas são ilhas: Sicília e Sardenha. Na Itália, cada região possui as suas províncias (que seria equivalente ao que denominamos estado no Brasil), órgãos governamentais locais nos quais são formadas por um número de cidades chamadas de “Comune“.

As regiões da Itália possuem características próprias e gastronomia peculiar. Vamos conhecer estas regiões e os lugares que merecem ser visitados.

Festival de Ópera Arena de Verona
06.07.2015

O festival de Ópera Arena de Verona é realizado entre os meses de julho e setembro. Seu início data de 1913, quando foi realizada a primeira performance da ópera Aida, de Giuseppe Verdi, no anfiteatro romano da cidade, em comemoração ao centenário do compositor. O festival se tornou anual e já tem mais de cem anos. Com capacidade para até 30 mil expectadores, o anfiteatro torna-se durante o evento o maior teatro de ópera ao ar livre do mundo. Com performances geralmente iniciadas ao entardecer, os espectadores ganham velas que tornam o espetáculo visualmente belo acompanhado da música.

Além desse programa, a Cunard Line anunciou outras novidades para 2016. Os três navios da companhia passarão por mais de 100 portos entre maio e dezembro de 2016, em 34 países, com cruzeiros de 3 a 24 noites. Entre os destaques da temporada estão cinco novos portos para a empresa: Gaspe e Saguenay, no Canadá, Gênova, na Itália, Point-a-Pitre, em Guadalupe, e Stornoway, na Escócia; 10 pernoites em Amsterdam, na Holanda, Barcelona, na Espanha, Istambul, na Turquia, Ilha da Madeira, em Portugal, Geiranger, na Noruega, Quebec, no Canadá, Reykjavik, na Islândia, São Petersburgo, na Rússia, e Veneza, na Itália.

 

 

O Cúpido e a Psiquê - Escultura de Antonio Canova - artista Italiano
30.06.2015

Escultura de Antonio Canova, artista neoclassicista italiano, a mitologia grega de Cupido e Psiquê. 

 

Cupido, também conhecido como Amor, era o deus equivalente em Roma ao deus grego Eros. Filho de Vênus e de Marte, (o deus da guerra), andava sempre com seu arco, pronto para disparar sobre o coração de homens e deuses. Teve um romance muito famoso com a princesa Psiquê, a deusa da alma.

 

O escultor italiano Antonio Canova (1757 – 1822) é um dos expoentes máximos da arte neoclássica, da retomada do refinamento clássico e da recusa dos “excessos teatrais” do barroco. Seus temas e sua técnica revelam este compromisso erudito em obras como Teseu e o Minotauro, Perseu e Medusa, além de Cupido e Psiquê.

Canova escolheu o momento exato do resgate da mortal pelo deus enamorado. “A carga emocional e sensual é acentuada pela distância entre os rostos dos amantes. O tempo parece suspenso diante do beijo, o beijo final”

Canova realizou várias pesquisas antes de chegar à esta composição, que tomou de um pintura romana então descoberta em Herculano, cidade que visitou em sua viagem a Nápoles no ano de 1787. A pesquisa arqueológica é de fato um traço típico dos mestres neoclássicos, assim como a rigorosa estrutura compositiva. A posição das pernas de Psiquê e do Cupido delimitam um volume piramidal que se assenta solidamente sobre uma rocha.

Psiquê (palavra que em grego significa ao mesmo tempo alma e borboleta) simboliza as provações que a alma tem que enfrentar para alcançar a felicidade e a imortalidade. A vida terrena, metaforizada pela lagarta que se contorce no chão, será sucedida por uma vida infinitamente superior, leve, colorida e elegante, que se lança livremente nas alturas, como uma borboleta. Mas, para isto, muito sofrimento será necessário.  A inveja, mãe de todas as maldades, está no caminho de todos os humanos que, apesar disso, também alimentam dentro de si forças que, em certas circunstâncias, mostram-se autodestrutivas, como a vaidade e a curiosidade. A esperança de salvação reside na força do amor e do perdão. O amor é o caminho, aqui, agora.

música
26.06.2015

Da música popular à clássica, a expressão dos sons tem um papel importantíssimo na cultura italiana. A Itália é o local onde nasceu a ópera, por Claudio Monteverdi. Instrumentos inventados em Itália como o piano e violino permitem executar formas artísticas como a sinfonia, concerto, e sinfonia. Alguns dos compositores italianos mais célebres são Palestrina e Monteverdi, ambos da época da Renascença, os compositores do Barroco Corelli e Vivaldi, os clássicos Paganini e Rossini, os românticos Verdi e Puccini e os contemporâneos Berio e Nono.

* na foto Luciano Pavarotti, um dos maiores tenores de todos os tempos.

 

Capela Sistina, onde Michelangelo colocou seu talento e coração
15.06.2015

A Capela Sistina faz parte do Palácio Apostólico, residência oficial do Papa. É famosa por sua decoração com afrescos pintados pelos mais grandiosos artistas da Renascença: Michelangelo, Rafael, Bernini e Sandro Botticelli, Rosselli, Signorelli, Ghirlandaio, Perugino.

O nome Capela Sistina faz referência ao Papa Sisto IV que, entre os anos de 1477 e 1480, foi responsável pela restauração da Capela Magna, capela medieval, que foi demolida e da qual foram utilizados os alicerces para a construção da Capela Sistina.

Uma das maravilhas da Capela Sistina é o seu teto, que foi pintado por Michelangelo. Anos depois da inauguração da Capela, em 1508, Michelangelo foi chamado a Roma pelo então papa Júlio II para esculpir o mausoléu desse Papa, mas Michelangelo acabou sendo convidado a pintar o teto da Capela Sistina.

Michelangelo demorou quatro anos para terminar esse trabalho e o fez com grande dificuldade, pois teve que trabalhar deitado em cima de um andaime de 16 metros de altura e pintar sobre sua cabeça. Isso fazia que a tinta pingasse em seu rosto o dia todo. Ao final do dia, ele tinha cãibras a tal ponto que mal conseguia ler as cartas que seus familiares lhe enviavam.

Michelangelo pagou um preço altíssimo por esses anos de trabalho. Sua visão ficou reduzida e desgastou-se muito. Michelangelo relatou que, quando, com apenas 37 anos, terminou seus trabalhos na Capela, “seus amigos se impressionaram com o homem velho que ele se tornará”.

Montalcino
20.05.2015

Montalcino é uma das cidades mais lindas da província de Siena: uma encantadora cidade pequena que ainda preserva intacto o charme da Idade Média.O seu território faz parte do Parque Natural e Cultural de Val d'Orcia e é coberto de vinhedos (onde são feitos vinhos excelentes, como o famoso Brunello), bosques e florestas onde predominam oliveiras e carvalhais.A vida da cidade é calma e ao mesmo tempo animada, graças aos eventos culturais. Entre os eventos tradicionais, o mais famoso é a “Sagra del Tordo”, em outubro, com um desfile histórico, a característica dança do Trescone, citada em Dante e Boccaccio, onde homens e mulheres (inicialmente somente homens!) dançam batendo os pés durante a dança, além do desafio de arco e flecha entre os bairros da cidade. A gastronomia tem vez no mês de Setembro, com a Semana do Mel. As ofertas de verão momentos inesquecíveis e várias durante o ano com o Festival Internacional de Montalcino, rico de shows, concertos e laboratórios culturais.

os 5 museus mais visitados da Itália
06.05.2015

Em virtude do evento Noite Européia dos Museus, na qual participaram também 400 museus italianos e que aconteceu dia 15 de maio, a revista de turismo TRIVAGO,  publicou uma lista com os 10 melhores museus da Itália. A classificação foi realizada com base nos museus mais visitados e apreciados pela revista.

 Roma e Florença dominam a lista. 

  • 1° Museus Vaticano: Cidade do Vaticano. Com mais de 4,5 milhões de visitantes por ano, o museu da Santa Sé ficou com o primeiro lugar.
  • 2° Palazzo Ducale, Veneza. O fascínio da ‘Serenissima’ é um appeal irresistível para os cidadãos do mundo todo.
  • 3° Galeria dos Uffizi Florença. Botticelli, Da Vinci, Rafael. O museu florentino hospeda obras dos mestres renascentistas.
  • 4 ° Museu de Bargelo, Florença. Entre outras coisas, algumas jóias da tradição árabe-islâmica.
  • 5° Galleria Dell 'Accademia, Florença. Só o fato de hospedar o Davi de Michelangelo justifica a classificação.
A cidade de Liguria, conhece?
25.04.2015

Na capital da Liguria, Gênova, os habitantes (cerca de 1,7 milhão) são conhecidos como pão-duros, característica atribuída pelos próprios italianos de outras regiões. Mas lá eles mantêm uma obstinada atenção às tradições locais, aos hábitos deixados por seus antepassados e à culinária feita com rigor, onde reina o pesto a la genovesa, um molho à base de manjericão, queijo pecorino, azeite e pinólis.

É também uma região com grande apelo turístico pelas suas belezas naturais. Entre as quais – próximo a La Spezia – as famosas Cinque Terre constituídas de cinco cidades marítimas de Corniglia, Manarola, Monterosso al Mare, Riomaggiore, Vernazza e ainda a Riviera dei Fiori, próximo a Sanremo.

Páscoa na Itália
05.04.2015

Itália é, sem dúvida, um país religioso e principalmente os ritos católicos têm um papel muito importante na vida do seu povo. Nem poderia ser diferente: são séculos de tradição desde que Roma passou a ser a sede da Igreja Católica. Até hoje,memórias daqueles tempos nos assaltam quando, por exemplo, caminhamos pelas pedras do calçamento da Via Appia Antica ou visitamos as suas catacumbas. É impossível ignorar esse passado!

Páscoa na Itália é um momento de grandes comemorações quando o sagrado, o profano e o folclore se misturam. É neste momento que a Paixão e Ressurreição de Cristo se mesclaram com antigos ritos pagãos de chegada da primavera, celebrando vida e fartura. Esta complexa trama de heranças culturais e raças deu origem ao que hoje conhecemos como Itália.

A Páscoa italiana não termina no domingo: a segunda-feira, pasquetta, é feriado e a tradição recomenda piqueniques, passeios pelo centro da cidade, visitas a pontos turísticos e reuniões familiares. Este é o ápice das celebrações de chegada da primavera.

Curiosidades sobre a Itália
23.03.2015

 

  •  A palavra "tchau" é usada na Itália quando você se despede e também quando encontra alguém. Neste último caso é equivalente ao nosso "oi" e "Olá".
  •  Os italianos gostam de fazer refeições na rua. E um dos lanches favoritos é a pizza, que em muitas cidades italianas é comida de forma dobrada. 
  • Os italianos adoram comer massas e são os inventores de muitas delas como, por exemplo, lasanha, rondeli, canelone, nhoque e capeletti. 
  •  A palavra Itália foi criada na Roma Antiga. Os romanos chamavam de Itália a região sul da Península Itálica. Esse termo tinha o significado de "terra dos bois" ou "terra dos pastos". 
  • O nome oficial da Itália é República Italiana. 
  •  A capital da Itália, Roma, é a cidade mais populosa do país com cerca de 2,9 milhões de habitantes (estimativa 2012). 
  •  O território da Itália possui o formato de uma bota, chutando a ilha da Sicília.
  •  O esporte preferido dos italianos é o futebol, chamado por eles de cálcio.
  •  Dizem que em cada esquina das cidades italianas é possível encontrar uma igreja católica. Exageros a parte, a Igreja Católica Apostólica Romana é muito forte no país, sendo que cerca de 84% da população italiana segue o catolicismo.
  •  A Itália surgiu como país somente em 1861 com o processo da unificação italiana. Antes disso, a Península Itálica era uma concha de retalhos formada por vários reinos.
  •  O ponto mais alto da Itália é o Monte Branco com 4.808 metros de altura. 
  •  O maior rio da Itália é o Pó com 652 km de extensão.
  •  O norte da Itália é a região mais rica e desenvolvida do país.  
  • A Itália é o quinto país mais visitado do mundo. Em 2013 recebeu cerca de 42 milhões de turistas. 
  •  O povo italiano é considerado um dos mais comunicativos do mundo. Adoram conversar, principalmente em voz alta, e também usam muitos gestos manuais para transmitir informações. 
  • As bicicletas e lambretas são meios de transportes muito usados pelos italianos, principalmente das grandes cidades.
  • Antes de adotar o Euro (moeda oficial dos países da Zona do Euro), a moeda italiana era a Lira. 
  • Um dos queijos mais consumidos na Itália pé a muçarela. A verdadeira, feita na Itália, usa como base o leite de búfala.
Pietà
16.03.2015

A Pietà (Piedade em português) de Michelângelo é talvez a Pietà mais conhecida e uma das mais famosas esculturas feitas pelo artista. O requinte e esmero da modelação e o tratamento da superfície do mármore, polido como um marfim. Importante como o autor conseguiu harmonizar a figura horizontal do Cristo, estendido sobre os joelhos da mãe, como que inserido entre suas amplas vestes, com a figura de Maria.

Michelangelo tinha 23 anos. Em função da pouca idade, muitos não acreditaram que fosse o autor. Assim, por isso teria inscrito o nome na faixa que atravessa o peito de Maria.

“A simplicidade é a máxima perfeição”
09.03.2015

Enquanto na Idade Média a vida do homem devia estar centrada em Deus (teocentrismo), nos séculos XV e XVI o homem passa a ser o principal personagem (antropocentrismo). Este domínio da relação do homem como centro das atenções está presente no Renascimento. No Renascimento podemos destacar alguns dos principais artistas da época como por exemplo o Leonardo aa Vinci que foi além de pintor, um escultor, cientista, engenheiro, físico e escritor. A obra Gioconda (Monalisa) e última Ceia são as mais conhecidas e lembradas pelos homens. Da Vinci é considerado o pai da técnica do sfumato, que consiste em criar gradientes perfeitos numa pintura, criando luz e sombra. Entre as frases de destaque estão: “A sabedoria é a filha da experiência”, “Quem muito pensa, muito erra” e “A simplicidade é a máxima perfeição”. No Artesanalli você tem a oportunidade de aprender e se deliciar com as informações e dicas da cultura italiana. Continue acompanhando!

Renascimento - Trecentismo
24.02.2015

Podem-se identificar três fases distintas no desenvolvimento do renascentismo, movimento intelectual e artístico surgido na Itália. São elas: trecentismo (anos 1300), quatrocentismo (anos 1400) e cinqüecentismo (anos 1500).

Trecentismo - No século 14, o renascentismo estava concentrado na Itália, mais especificamente em Florença. Seus principais expoentes artísticos eram Giotto (obra apresentada na imagem), Boccaccio e Petrarca. As características desse momento foram a valorização do indivíduo e dos detalhes humanos e a ruptura com o imobilismo e a hierarquia da pintura medieval. Eram traços diretamente relacionados ao pensamento humanista.

Com a Artesanalli Massas & Molhos é assim, você experimenta massas, molhos e muito sabor de cultura!

Renascimento
18.02.2015

O período do Renascimento iniciou-se na Itália no século XIV e perdurou até ao século XVI. Renascimento, Renascença ou Renascentismo são os termos usados para identificar este período da História de Europa. Chamou-se "Renascimento" em virtude da revalorização das referências culturais da antiguidade clássica, que nortearam as mudanças deste período em direção a um ideal humanista e naturalista. 

Confete de Carnaval
10.02.2015

O Confete aparece pela primeira vez no carnaval de Roma sobre a forma de "confetti", ou "confeitos" de açúcar que as pessoas jogavam umas sobre as outras durante o trajeto dos clubes carnavalescos nas ruas da cidade.

Apesar de o confete (papel geralmente branco, dourado ou prateado) ter nascido na Itália, ele é noticiado pela primeira vez no carnaval de Paris, em 1982. 

Carnaval de Veneza
03.02.2015

Carnaval de Veneza surge a partir da tradição do século XVI, onde a nobreza se disfarçava para sair e misturar-se com o povo. Desde então as máscaras são o elemento mais importante deste carnaval. A festa carnavalesca de Veneza tem duração de 10 dias. Durante as noites realizam-se bailes em salões e as companhias conhecidas como compagnie della calza realizam desfiles pela cidade. Os trajes que se usam são característicos do século XVIII, e são comuns as maschera nobile, ou seja, máscaras nobre, caretas brancas com roupa de seda negra e chapéu de três pontas. Desde 1999 foram sendo somadas outras cores aos trajes, embora as máscaras continuem a ser brancas, prateadas e douradas.

A lambreta italiana
11.12.2014

Após a 2ª Guerra Mundial, Ferdinando Innocenti enfrentou o trabalho da reconstrução de sua fábrica de tubos de aço sem costura. A fábrica estava situada em Lambratte, Milão, que havia sido reduzida a escombros e fumaça. Ferdinando percebeu que as necessidades básicas de seu país eram duas: iniciar a produção de equipamento industrial e maquinaria pesada; e prover a população de um meio de transporte barato e seguro.

Ferdinando se uniu ao engenheiro Pierluigi Torre e projetaram um veículo de baixo custo de produção, de manutenção e com proteção melhor do que uma motocicleta convencional para as mudanças climáticas: chuva, frio, neve, etc. Esse veículo foi a Lambretta.

A produção da Lambretta começou em 1947 na Itália, O chassi no qual esta pequena máquina estava montada era um tipo de painel tubular, com um plataforma, no qual o piloto colocava os pés.

As ruas de Florença
11.12.2014

Caminhar por Florença é se deparar com inúmeras ruas estreitas cercada por impressionante beleza em construções antigas, destacando-se entre elas as inúmeras igrejas e praças.

A poucos metros dali, da Santa Maria Novella, encontra-se a Basília di Santa Maria del Fiore, mais conhecida por Duomo (Catedral). Em estilo gótico, a obra foi iniciada em 1296 e concluída em 1436 com a cúpula projetada por Filippo Brunelleschi.

Localizado na praça que leva o mesmo nome (Piazza Duomo), o Complexo de Duomo é composto pelo Batistério com suas portas de bronze, incluindo a formosa Porta do Paraíso e a Catedral com sua magnífica abóboda de Brunelleschi e a torre de Giotto. Esses três edifícios fazem parte do Patrimônio Mundial da Unesco.

29/12
Neive - Região de Piemonte


13/12
Villaggio di Natale de Montepulciano


06/12
Colletta di Castelbianco


02/12
Alberobello - terra das Trulli


22/11
Castelsardo


08/11
Cidade de Atrani: Presépio sobre o mar


01/11
Costumes italianos - post 02/02


25/10
Costumes italianos - post 01/02


18/10
10 paixões dos Italianos - post 02/02


11/10
10 paixões dos Italiano - post 01/02


12/09
curiosidades sobre a Itália - parte 03


05/09
Curiosidades sobre a Itália - parte 02


29/08
Curiosidades sobre a Itália - parte 01


22/08
Ancona - parte 02


16/08
Ancona - parte 01


08/08
Basilicata


01/08
Abruzzo


25/07
Piemonte     


18/07
Lombardia


11/07
Campania


04/07
Região da Ligúria     


27/06
Calábria


20/06
Lázio


13/06
E m i l i a - R o m a n a


06/06
Cortona


02/06
Sicilia


23/05
Catedral de Milão


16/05
História de Veneza


09/05
O Carnaval de Veneza - o uso de máscaras de carnaval com as idades da história e tradições


02/05
Herança dos Imigrantes


25/04
Fashion Show de Florença


18/04
Tellaro


11/04
Cidade Estrela


04/04
Galleria Vittorio Emanuele II


29/03
Gnocchi da Fortuna


28/03
Mântua é eleita capital Italiana da cultura de 2016


18/03
Tarantella: A dança típica do Sul da Itália


14/03
CASA DI GIULIETTA


07/03
Basílica de São Marcos


29/02
Basílica de São Pedro


22/02
Piazza del Campo


15/02
Costa Amalfitana


01/02
Fórum Romano


25/01
Vaticano


18/01
Lucca, cidade murada na Toscana


11/01
Curiosidades sobre a Italia


21/12
Natal na Itália


14/12
Por que a Torre de Pisa é inclinada?


07/12
Palatino


30/11
Lago de Como


23/11
Piazza Navona


16/11
Grande Canal de Veneza


09/11
Santa Maria del Fiore


02/11
Arco de Constantino


26/10
Coliseu


19/10
Pantheon


12/10
Castelo Sant’ Angelo


05/10
Fontana di Trevi


29/09
a paixão dos italianos por carros


21/09
Fiera di Primiero


14/09
Belluno


07/09
Bellagio


31/08
Bassano del Grappa


17/08
Bolzano


10/08
Cortina d’Ampezzo


03/08
Marostica


29/07
Itália - região norte - Emilia - Romana


20/07
Lamon, região do Vêneto, Província de Beluno (Região Norte da Itália)


13/07
As Regiões da Italia


06/07
Festival de Ópera Arena de Verona


30/06
O Cúpido e a Psiquê - Escultura de Antonio Canova - artista Italiano


26/06
música


15/06
Capela Sistina, onde Michelangelo colocou seu talento e coração


20/05
Montalcino


06/05
os 5 museus mais visitados da Itália


25/04
A cidade de Liguria, conhece?


05/04
Páscoa na Itália


23/03
Curiosidades sobre a Itália


16/03
Pietà


09/03
“A simplicidade é a máxima perfeição”


24/02
Renascimento - Trecentismo


18/02
Renascimento


10/02
Confete de Carnaval


03/02
Carnaval de Veneza


11/12
A lambreta italiana


11/12
As ruas de Florença


Janeiro 2016
Fevereiro 2015
Fevereiro 2016
Março 2015
Março 2016
Abril 2015
Abril 2016
Maio 2015
Maio 2016
Junho 2015
Junho 2016
Julho 2015
Julho 2016
2015
2016
2015
2016
Outubro 2015
Outubro 2016
Novembro 2015
Novembro 2016
Dezembro 2014
Dezembro 2015
Dezembro 2016
Rua Padre Almeida, nº 735 – Cambuí  |  Campinas – SP  |  Artesanalli Massas e Molhos: 19 3255.5392
Rua Padre Almeida, nº 735 – Cambuí
Campinas – SP
Artesanalli Massas e Molhos: 19 3255.5392