VINHOS ITALIANOS
Dicas de como beber vinho no calor
25.09.2015

Por incrível que pareça, mesmo com as altas temperaturas do verão ainda é tempo de tomar bons vinhos. Nessa estação, recomenda-se o consumo de vinhos brancos e espumantes, mas é sempre bom tomar algumas precauções para que a bebida não se aqueça com o calor.

Um vinho aquecido tem um aroma muito acentuado e alguns elementos de sua degustação acabam ficando perdidos. Entretanto, cada rótulo reage diferentemente às temperaturas elevadas: o vinho branco, por exemplo, deve ser apreciado com uma temperatura mais baixa, para moderar sua acidez. Mas, cuidado: não sirva-o muito gelado, senão os aromas ficam inibidos.

Para resfriar o vinho, o ideal é colocar a garrafa em um recipiente (como um balde) com pedras de gelo, água gelada e sal grosso, para acelerar o resfriamento. Em hipótese alguma deve-se colocar pedras de gelo diretamente no vinho, senão o líquido pode diluir, afetando o sabor da bebida.

Colocar a garrafa em um congelador por um curto período de tempo também é inadequado, já que o resfriamento brusco afeta o aroma e o sabor, fazendo com que o vinho aumente o volume de líquido e venha a sofrer o risco de ter a garrafa rachada.

O vinho branco deve ser consumido em uma temperatura média de 4° a 6°C. Nessas temperaturas, a bebida combina com as estações mais quentes devido à ótima acidez e um menor teor alcoólico em relação aos outros vinhos.

Além do vinho branco, esta época do ano também é propícia para os espumantes e rosados, já que são mais leves, refrescantes e podem ser servidos em temperaturas mais baixas.

Vinhos Italianos do Passado e do Presente (continuação)
18.09.2015


Muito embora a queda do Império tenha desestruturado a cultura do vinho na Itália, ela jamais foi abandonada por completo. Com o alvorecer da Revolução Industrial, a partir do final do século XIX, a vinicultura da Itália passou a desenvolver novas técnicas, desenvolvendo suas castas locais e firmando sua identidade e reputação como dona de alguns dos melhores rótulos do planeta.

Sendo atualmente o maior exportador de vinhos mundial e o segundo país em maior produção, a Itália conta com uma diversidade de rótulos suficiente para entreter um grande apreciador por toda uma vida. São cerca de 18.000 nomes, quer produzidos por grandes ou pequenas vinícolas, cujas vinhas podem se originar tanto de terras nobres ou camponesas; praticamente não há lugar na Itália onde pelo menos uma plantação de videiras não possa ser encontrada.
mapa-italia

Praticamente todas as regões da Itália produzem vinho.

As principais regiões produtoras se dividem, em linhas gerais, em Norte, Centro e Sul. No norte, encontramos a região de Piemonte, com seus vinhos Barolo e Barbaresco, além de inúmeras vinhas dedicadas a produção de espumantes, vinhos tintos e em maior escala, vinhos brancos. A região central concentra a lendária Toscana e seu arredores, ainda hoje na linha de frente entre os vinhos de primeira grandeza italianos. Nas ilhas do sul, as já mencionadas Sicilia e Sardenha, mantendo viva a tradição mediterrânea de vinhos tintos mais potentes e alcoólicos, e também a de especialidades, como o fortificado Marsala.

Em cada uma das grandes regiões, inúmeras micro-regiões produzem seus vinhos a todo o vapor, protegendo seus nomes e marcas sob legislações de qualidade, necessárias em vista da quantidade enorme de produtores do país, que provavelmente alcança a casa dos milhões.

    “Vino di Tavola” é como é chamado o vinho de mesa comum,
    italiano. Outras denominações, tais como a IGT, DOC e DOCG, trazem vinhos de qualidades mais controladas, mediante legislação dos órgãos vinícolas.

Durante as décadas de 1980 e 1990, a Itália concentrou grande parte de suas energias na valorização das produções de Cabernet Sauvignon e Chardonnay, mas retorna agora ao passado, redescobrindo e explorando as possibilidades de uvas locais e autóctones, tais como a Barbera, a antiga Malvasia, a Montepulciano e a Nebiolo.

A influência externa, trazida dos vizinhos franceses e também de outras regiões produtoras da Europa e do mundo continua, entretanto, a se fazer presente nas produções atuais, que ao do contrário do que se pode pensar, se configuram numa transformação positiva dos vinhos italianos, misturando as tradições antigas com a modernidade, na elaboração de uma identidade própria, cada vez mais características das terras prediletas de Baco.

Vinhos Italianos do Passado e do Presente
11.09.2015

A história dos vinhos na Itália remonta da Pré História; sementes de uvas e sedimentos de vinho foram encontrados em sítios arqueológicos datados de 1.200 a.C. Suas ilhas do sul e terras do norte, que na antiguidade clássica receberam visitas de tribos bárbaras e mercadores de todas as partes da Europa e África, absorveram influências culturais de cada um destes povos, mas são, sem dúvida, os romanos que arraigaram o valor do vinho no subconsciente coletivo do país.

Disse o poeta romano Horácio que “poema algum jamais foi escrito por um bebedor de água”, e, independentemente da verdade contida ou não nesta máxima, ela apenas comprova parte do valor que os romanos atribuíam a bebida, creditando ao vinho, inclusive, a qualidade de um presente dos deuses – mais especificamente um presente de Baco, ao qual festejos e celebrações eram dedicados, sempre regados a muito vinho.

A influência dos romanos sobre a viticultura italiana se inicia com a expansão do Império para a ilhas da Sicilia e Sardenha. Enquanto outras partes do território que, no futuro viria a se transformar na famosa bota, recebiam influências vinícolas de gregos e etruscos, os romanos que se estabeleceram em territórios da Itália desenvolveram muitas das técnicas que são ainda usadas não apenas no país como também ao redor do mundo até os dias de hoje: maturação e envelhecimento, conservação em barris de carvalho e escolha de variedades cultivadas conforme o território em que melhor estas se desenvolviam, são parte do legado deixado pelo Império Romano a Itália, e repassada às demais regiões produtoras de vinho no mundo com o passar dos séculos.

(continua na próxima semana)

Como escolher um vinho italiano
04.09.2015

A Itália é antiga. Lá a história do vinho se mistura com a história do país e das pessoas. Antes da constituição do mapa tal como conhecemos hoje, diferentes povos que ocuparam a região como os Etruscos ou Gregos, por exemplo, tinham em sua cultura o hábito de produzir e fazer vinhos. Houve uma migração de espécies de videiras, alguns conquistadores trouxeram consigo novas mudas que se adaptaram e estão lá até hoje. Mas havia também diversas espécies locais. Em síntese, os terrenos ou ainda mais amplamente, o terroir da Itália são extremamente favoráveis para a produção de vinhos. Assim como no Brasil é fácil cultivar uma bananeira no quintal, para eles é cultivar uma videira.

Comparando com as nossas proporções territoriais trata-se de um país pequeno. Mas não se engane, mesmo assim é capaz de produzir quantidade e diversidade de vinhos surpreendentes. Isso se deve às latitudes, recortes da terra, proximidade com diferentes mares, influência de rios, clima, altitude, vegetação, história, solo, espécies melhores adaptadas a uma ou outra região e assim vai. Ufa! Muitas variáveis, não é? Na prática, imagine-se agora em frente à uma prateleira de vinhos italianos em uma loja ou em um site procurando por um rótulo para comprar. Por onde começar? Não se desespere. É mais simples do que parece. Veja abaixo algumas dicas:

SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO

Pense sempre em duas variáveis: a hierarquia da classificação e as diferentes regiões onde é aplicada. Vamos lá: Do mais genérico para o mais específico (e normalmente do mais barato para o mais caro).

Vino da Tavola: Vinhos de mesa provenientes de toda a Itália. Muitas pequenas vinícolas ao iniciarem o seu trabalho são classificadas dessa forma. Sendo assim, cuidado para não subestimar alguns rótulos que podem surpreender positvamente.

Indicazione Geografica Tipica (IGT ou IGP): Os rótulos classificados assim são submetidos à algumas regras e controle. Nesses vinhos as informações que nos dão pistas sobre que tipo de líquido está contido na garrafa são: informações sobre a região (IGT Toscana, por exemplo) e safra.

DOC: Vinhos elaborados em regiões com Denominazione di Origine Controllata. Dentro das grandes regiões, existem sub regiões que protegem a personalidade e história de seus vinhos. Sendo assim, as regras são mais restritas. Há um controle das áreas de produção, tipos de uvas utilizadas, rendimento da produção por safra, índices de álcool, práticas de vinificação, tempo de descanso antes do ingresso do produto no mercado, detre outros. Um de muitos exemplos dentro da Toscana é a sub região de Maremma ou os vinhos DOC Maremma.

DOCG: A Denominazione di Origine Controllata e Garantita é o mais alto nível da classificação, cujas normas são ainda mais restritivas. Ainda na Toscana, existem várias DOCG. Algumas muito conhecidas, como DOCG Chianti Clássico, outras muito badaladas como DOCG Brunello di Montalcino e outras ainda não muito divulgadas como DOCG Morellino di Scansano.

Supertoscanos: Alguns produtores na Toscana passaram a elaborar vinhos a partir de castas estrangeiras, como por exemplo Cabernet Sauvignon, Merlot, etc. Mesmo fazendo vinhos DOCG em suas vinícolas, não puderam submeter esses vinhos “free style” dentro da legislação. Sendo assim, apesar de poderem alcançar altos níveis de prestígio e preço, podem ter em seus rótulos a classificação IGT.

Na próxima semana continuaremos com mais dicas na escolha de um bom vinho italiano.

26/08
Por que tomar meia taça de vinho por dia - parte 01


19/08
Efeito Agulha


12/08
Curiosidades históricas sobre vinho - parte 02


05/08
Curiosidades históricas sobre vinho - parte 01


22/07
A diferença entre o vinho frisante, espumante e champagne - Champagne


15/07
A diferença entre o vinho frisante, espumante e champagne - Espumante


08/07
A diferença entre o vinho frisante, espumante e champagne - Vinho Frisante


01/07
As 7 principais uvas brancas do mundo


10/06
5 motivos para escolher os vinhos brasileiros - parte 02


02/06
5 motivos para escolher os vinhos brasileiros - parte 01


23/05
Enogastronomia


20/05
Tipos de Vinhos: Características dos vinhos


13/05
Tipos de Vinhos - Categorias Especiais


05/05
Uma adega diferente


29/04
Feiras de Vinho


22/04
Decoração com garrafas de vinho


08/04
Porta-rolhas


01/04
Vinho na troca de alianças


24/03
Vinho como acompanhamento de peixe


15/03
Qual vinho combina com qual prato?


11/03
como ler os rótulos dos vinhos


05/02
Garrafas de Vinho na decoração


26/02
Outono: a melhor estação para os vinhos tintos!


19/02
O vinho mais caro da Itália


12/02
Marche - Uma das mais belas regiões da Itália


05/02
A lista dos 50 melhores vinhos italianos de 2015


22/01
Sete curiosidades históricas sobre vinhos


15/01
5 Teorias sobre o Fundo da Garrafa de Vinho


08/01
Que taça escolher?


25/12
Vinhos para a Ceia Natalina


18/12
O vinho laranja é o velho branco.


11/12
Coisas que você precisa saber sobre vinho


04/12
Coisas que você precisa saber sobre vinho


27/11
Coisas que você precisa saber sobre vinho


20/11
Coisas que você precisa saber sobre vinho


13/11
Vinhos para dias quentes


06/11
Primavera: veja vinhos para beber nesta estação "meio-termo"


30/10
Aprenda a escolher um vinho para servir no almoço


23/10
Aprenda a escolher um vinho para servir no almoço


16/10
Aprenda a escolher um vinho para servir no almoço


09/10
Aprenda a escolher um vinho para servir no almoço


02/10
Apesar da crise, brasileiros estão consumindo mais vinho


25/09
Dicas de como beber vinho no calor


18/09
Vinhos Italianos do Passado e do Presente (continuação)


11/09
Vinhos Italianos do Passado e do Presente


04/09
Como escolher um vinho italiano


28/08
Conservar vinhos em casa


21/08
Vinho da Tavola


14/08
Vinho Barolo


07/08
Vinho Amarone


22/07
Vinhos que combinam com o inverno


17/07
Classificação dos Vinhos Italianos


10/07
Beneficios do vinho - itens 9 e 10


03/07
Beneficios do vinho - itens 7 e 8


26/06
Beneficios do vinho - itens 5 e 6


19/06
Benefícios do vinho - itens 3 e 4


10/06
Benefícios do vinho - itens 1 e 2


29/05
10 benefícios reais do vinho para a saúde!


20/05
Passeio por Milão com direito a conhecer Vinícolas e degustar espumantes


01/05
CATEGORIAS ESPECIAIS DE VINHOS


24/04
Como conservar bem a bebida em casa? Aprenda cinco dicas.


17/04
Classificação de vinhos Italianos


10/04
3. Degustando vinhos


04/04
Como degustar vinhos - 2 - Olfativas


27/03
Como degustar vinhos


20/03
Como combinar vinhos e queijos


13/03
Brunello di Montalcino


06/02
Frisante ou espumante?


20/02
Rolhas II: da floresta à garrafa!


13/02
De onde vem as rolhas?


06/02
Folino Capito (Sacchetto) Merlot


29/01
Barolo


11/12
A história do vinho


11/12
Que taça escolher?


Janeiro 2015
Janeiro 2016
Fevereiro 2015
Fevereiro 2016
Março 2015
Março 2016
Abril 2015
Abril 2016
Maio 2015
Maio 2016
Junho 2015
Junho 2016
Julho 2015
Julho 2016
2015
2016
2015
Outubro 2015
Novembro 2015
Dezembro 2014
Dezembro 2015
Rua Padre Almeida, nº 735 – Cambuí  |  Campinas – SP  |  Artesanalli Massas e Molhos: 19 3255.5392
Rua Padre Almeida, nº 735 – Cambuí
Campinas – SP
Artesanalli Massas e Molhos: 19 3255.5392